Praça lisboeta acompanha otimismo da Europa. NOS continua a subir

Atenções viradas para a NOS (+0,97%), referem os analistas do BPI. “Abertura em alta das praças europeias, contagiada pelo ambiente positivo das congéneres asiáticas e de ontem em Wall Street, onde o índice tecnológico Nasdaq 100 ganhou quase 1%”, destaca o ‘trader’ do Millennium bcp Ramiro Loureiro.

Ler mais

A bolsa portuguesa negocia em alta ao início da manhã desta sexta-feira, dia 14 de setembro, acompanhando o sentimento positivo da Europa, um dia após a reunião do Banco Central Europeu. O principal índice do mercado, PSI 20, soma 0,19%, para 5.325,15 pontos, impulsionado pelas valorizações do retalho e do BCP. Os títulos do banco avançam 0,29%, para 0,2405 euros, enquanto os da empresa liderada por Pedro Soares dos Santos sobem 0,27%. Também a Sonae ganha 0,72%.

A Pharol sobe 0,72%, um dia depois de a empresa liderada por Luís Palha da Silva ter anunciado que recorreu da decisão judicial do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa sobre o pedido de arresto dos bens da Oi, da qual é accionista, fora do Brasil, que tinha sido interposto pela gestora de participações.

Em comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a Pharol informou que, “relativamente ao arresto de bens, dinheiro e direitos da Oi e suas participadas com sede em Portugal, PT Ventures SGPS, PT Participações, SGPS, TPT – Telecomunicações Públicas de Timor, Oi – Investimentos Internacionais, e Directel – Listas Telefónicas Internacionais, Lda, a que se refere o comunicado da Pharol de 22 de junho de 2018, foi o mesmo indeferido, decisão esta objeto de recurso, o qual se encontra igualmente pendente de decisão”.

A NOS, que ontem ajudou a alavancar a bolsa de Lisboa, sobe 0,97%, para 5,1950 euros. “As atenções de hoje poderão estar mais focadas no comportamento da NOS, que ontem apresentou um desempenho bastante favorável. Esta “overperformance” espelhou não só a descida das yields das OT portuguesas (na medida em que se trata de uma empresa bastante exposta ao mercado nacional e que por isso beneficia das melhorias verificadas no mercado de  dívida), como também a boa recetividade dos investidores quanto ao plano de reestruturação que a empresa está atualmente a implementar para melhorar a satisfação dos clientes”, explicam os analistas do BPI, num research.

Já a energética Galp Energia (-0,18%, para 16,6200 euros), Altri (-0,12%) e Sonae Capital (-1m71%) estão pintadas a ‘vermelho’. A Mota-Engil segue este pessimismo com uma queda de 0,46%, na sequência de ter avançado com a aquisição de ações próprias.

As restantes bolsas europeias seguem em terreno positivo. O índice alemão DAX ganha 0,48%, o francês CAC 40 valoriza 0,51%, o italiano FTSE MIB sobe 0,40%, o espanhol IBEX 35 aprecia 0,31%, o holandês AEX avança 0,40% e o britânico FTSE 100 cresce 0,45%, após o Banco de Inglaterra ter mantido as taxas de juro de referência inalteradas. O Euro Stoxx 50 soma 0,36%. “Abertura em alta das praças europeias, contagiada pelo ambiente positivo das congéneres asiáticas e de ontem em Wall Street, onde o índice tecnológico Nasdaq 100 ganhou quase 1%”, destacou o analista Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp, em comunicado.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, sobe 0,43% para 78,52 euros, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,64%, para 69,03 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro valoriza 0,20% face à moeda norte-americana, para 1,1713 dólares, e a libra aprecia 0,14% perante a divisa dos Estados Unidos, para 1,3127 dólares.

Recomendadas

Wall Street fecha mista em dia de Farfetch

O Dow Jones fechou em alta em contra-mão com os Nasdaq e S&P. A estreia de bolsa da Farfetch é um dos destaques em Wall Street, tendo a procura levado a uma subida do preço da ação face ao preço da colocação no IPO (oferta pública inicial).

Farfetch vale 7,02 mil milhões de dólares em bolsa

No lançamento do IPO, as ações da empresa valiam 20 dólares (17,03 euros), mas no final da sessão fecharam com uma cotação de 28,5 dólares. Ao fecho da sessão, a Farfetch tinha uma capitalização bolsista de 7,02 mil milhões de dólares (6,13 mil milhões de euros).

Bolsa de Lisboa fecha em terreno negativo em contra-ciclo com a Europa

A família Sonae, a Mota-Engil e a Pharol estragaram a sessão da bolsa lisboeta ao registarem quedas acima de 3%. A maioria das praças europeias encerrou em alta, com os índices ibéricos a registarem performances inferiores aos pares. O Euro Stoxx 50 registou a décima sessão consecutiva de valorização.
Comentários