Preço das casas em Portugal subiu 6,6% no final de 2018

A cidade de Lisboa os preços mais elevados do país: 4.306 euros por metro quadrado. Pelo contrário, Guarda é a cidade mais barata: 651 euros por metro quadrado.

O preço das casas em Portugal subiu 6,6% no quarto trimestre de 2018 em comparação com o trimestre anterior para uma média nacional de 2.101 euros por metro quadrado (m2).

O maior aumento percentual teve lugar na região Norte onde os preços subiram 9,2%, seguido do Alentejo (5,8%) e de Lisboa (5,2%). Seguem-se a região Centro (5%), a região autónoma da Madeira (2,8%) e o Algarve (1,6%). Os dados foram divulgados esta quinta-feira pelo site imobiliário Idealista.

Analisando os preços por metro quadrado, Lisboa continua a ser a região onde custa mais comprar casa (2.847 euros por metro quadrado), seguido do Algarve (2.064 euros/m2) e do Norte (1.704 euros/m2). Já as regiões mais baratas para comprar casa são o Centro (1.083 euros/m2), o Alentejo (1.166 euros/m2) e a Madeira (1.597 euros/m2).

Por distritos, o Porto registou assim o maior aumento trimestral nos preços (7,5%), seguido de Braga (7,1%) e de Coimbra (6,2%). Durante a reta final de 2018, os preços recuaram em Vila Real (-1,3%), Guarda (-1%) e Castelo Branco (-0,4%).

Os distritos mais caros no país são Lisboa (3.262 euros por metro quadrado), Faro 2.064 euros/m2) e o Porto (1.919 euros/m2). Pelo contrário, os distritos mais baratos para comprar habitação são Guarda (609 euros/m2), Castelo Branco (694 euros/m2) e Bragança (720 euros/m2).

Em termos de capitais de distritos, os maiores aumentos no final de 2018 tiveram lugar em Braga (12,8%), Bragança (10,3%) e Vila Real (9%). Entre outubro e dezembro de 2018,os maiores recuos tiveram lugar em Castelo Branco (-2,8%), em Évora (-2,7%) e em Portalegre (-1,9%).

A cidade de Lisboa tem assim os preços mais elevados do país: 4.306 euros por metro quadrado. Segue-se o Porto (2.707 euros/m2) e o Funchal (1.823 euros/m2).

Pelo contrário, as capitais de distrito com os preços mais baixos são: Guarda (651 euros/m2), Castelo Branco (695 euros/m2) e Santarém (766 euros/m2).

Ler mais
Recomendadas

Os cinco problemas da economia angolana aos olhos do FMI

O Fundo Monetário Internacional aprovou a segunda tranche de financiamento para Angola no valor de 248,15 milhões de dólares, mas identificou cinco desafios que as autoridades angolanas devem fazer de tudo para ultrapassar, entre os quais a diversificação económica.

Governo estima atribuir 156 mil novas pensões este ano

Os dados foram avançados por Mário Centeno na Comissão do Trabalho e da Segurança Social, em resposta a críticas dos deputados sobre atrasos na atribuição de pensões.

“Sem fundo de garantia de depósitos comum, união bancária é insuficiente”, afirma economista-chefe do FMI

Gita Ginopath, economista-chefe do Fundo Monetário Internacional, disse que o “próximo passo” para o reforço da união bancária passa pela construção do fundo de garantia de depósitos comum, elemento fundamental para o futuro da União Económica e Monetária. E, para a união dos mercados de capitais, defendeu a construção de “instituição central para instituições não financeiras”.
Comentários