Prédios em centros históricos deixam de pagar IMI

Os imóveis nos centros históricos do Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos e Elvas passam a estar isentos de IMI.

Os prédios em centros históricos classificados pela UNESCO vão deixar de pagar Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), avança o Jornal de Notícias esta quarta-feira, 17 de julho.

Os proprietários de imóveis em zonas classificadas pela organização não vão ter de pagar este imposto nas cidades: Porto, Guimarães, Évora, Sintra, Angra do Heroísmo, Óbidos e Elvas.

A decisão do Governo já foi comunicada a todas as repartições de Finanças do país, segundo o JN.

Esta decisão tem lugar após um acórdão do Supremo Tribunal Administrativo que uniformizou jurisprudência sobre esta matéria, impondo o fim desta cobrança.

Os proprietários têm agora de provar que vivem num centro histórico classificado, à exceção de Óbidos, onde a isenção já é concedida.

Os restantes proprietários têm de requerer uma declaração da Direção-Regional da Cultura para entregá-la na respetiva repartição de Finanças. A partir deste momento, a isenção fica permanentemente garantida.

Ler mais
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários