Prémio de reabilitação urbana com 83 projetos candidatos

Vencedores desta quinta edição do prémio serão conhecidos no próximo dia 29 de março numa cerimónia a realizar no antigo Museu dos Coches, em Lisboa.

O Prémio Nacional de Reabilitação Urbana recebeu um número recorde de 83 projetos imobiliários, oriundos de 22 concelhos de Portugal Continental e das regiões Autónomas da Madeira e dos Açores.

O número de candidaturas recebido este ano, que marca a quinta edição do prémio, supera em 38% os 60 projetos que concorreram na edição de 2016 e também a cobertura geográfica das intervenções aumentou substancialmente (mais 38% face aos 16 concelhos da 4ª edição).

Dos projetos a concurso na edição de 2017, 41% são de uso habitacional; 25% de comércio e serviços; 19% de equipamentos sociais e 15% de turismo.

Os vencedores da edição de 2017 serão conhecidos numa cerimónia no próximo dia 29 de março, a realizar no antigo Museu dos Coches, em Belém.

O evento é parte integrante da agenda da IV Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa, que este ano decorre de 27 de março a 2 de abril no renovado Cineteatro Capitólio, no parque Mayer, junto à avenida da Liberdade.

A decisão sobre os melhores projetos de reabilitação urbana no âmbito da nova edição do Prémio Nacional de Reabilitação Urbana caberá ao júri independente composto por João Duque, Nuno Valentim, João Pedro Falcão de Campos, Manuel Reis Campos e João Appleton.

A concurso estão as categorias de Habitação; Comércio & Serviços, de Impacto Social e Turismo; além do “Melhor projeto em Lisboa”, cidadã anfitriã do galardão.

Serão ainda atribuídas menções honrosas para “Melhor reabilitação estrutural”, que visa distinguir a melhor intervenção de preservação estrutural do edificado e foi introduzida nesta edição; assim como para a “Melhor reabilitação inferior a mil metros quadrados”; “Melhor intervenção de restauro” e “Melhor solução de eficiência energética”.

Ler mais
Recomendadas

Construção e Imobiliário: impactos da pandemia e perspetivas futuras

As ações de mitigação a tomar nos próximos anos são sobretudo de caráter político-económico, começando com investimento público como meio para estimular a economia e, subsequentemente, incentivar o desenvolvimento do setor privado.

Mota-Engil assina contrato de 1.490 milhões na Nigéria e Níger

O contrato, considerado o maior de sempre na história da construtora nacional, respeita à construção de uma linha férrea com cerca de 374 quilómetros de extensão que atravessa os dois países africanos e que terá um prazo de execução de 32 meses.

AG da Mota-Engil aprova aumento de capital de 100 milhões

O conselho de administração reunirá no próximo dia 11 de janeiro para colocar o processo em andamento. Na Assembleia Geral estiveram presentes representantes de quase 70% do capital.
Comentários