Prémio Pessoa 2018 é anunciado a 14 de dezembro

O Prémio Pessoa 2018, um galardão que reconhece “a atividade de pessoas portuguesas com papel significativo na vida cultural e científica do país”, será anunciado a 14 de dezembro, anunciou a organização.

JOSÉ SENA GOULÃO

O Prémio Pessoa, no valor de 60 mil euros, é uma iniciativa do semanário Expresso e da Caixa Geral de Depósitos e o galardoado da 32ª. edição será revelado pelo júri no Palácio de Seteais, em Sintra no dia 14 de dezembro.

“O Prémio Pessoa pretende representar uma nova atitude, um novo gesto, no reconhecimento contemporâneo das intervenções culturais e científicas produzidas por portugueses”, refere a organização em nota de imprensa.

As candidaturas ao prémio fecham a 23 de novembro.

Em 2017, o Prémio Pessoa foi atribuído ao arquiteto Manuel Aires Mateus, com o júri a destacar “a arquitetura moderna, abstrata e contemporânea”, presente em projetos como o Centro de Criação Contemporânea de Tours e a sede da EDP em Lisboa.

O Prémio Pessoa foi atribuído pela primeira vez em 1987 ao historiador José Mattoso.

A pianista Maria João Pires, o arqueólogo Cláudio Torres, os escritores José Cardoso Pires e Mário Cláudio, o encenador Luís Miguel Cintra, a historiadora Irene Flunser Pimentel e o escultor Rui Chafes também já foram distinguidos com o Prémio Pessoa.

Ler mais
Recomendadas

Serralves e Gulbenkian no mapa cultural do Bankinter

Fundador de Serralves desde 2019, o Bankinter anuncia também o apoio à exposição “Cérebro, mais vasto que o céu”, organizada pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Um dos melhores restaurantes de praia da Europa fica em Portugal

A lista foi elaborada por escritores de viagens do jornal britânico ”The Guardian” que caracteriza o local como sendo ”perfeito para almoços longos ou noites românticas”. Restaurante português figura entre restaurantes na Grécia, Espanha ou Itália.

De Paris a Nova Iorque. Estas são as cidades mais caras do mundo

Houve alterações no topo do ranking das cidades mais caras do mundo, compilado pela Economist Intelligence Unit.
Comentários