Prémio Pessoa 2018 é anunciado a 14 de dezembro

O Prémio Pessoa 2018, um galardão que reconhece “a atividade de pessoas portuguesas com papel significativo na vida cultural e científica do país”, será anunciado a 14 de dezembro, anunciou a organização.

JOSÉ SENA GOULÃO

O Prémio Pessoa, no valor de 60 mil euros, é uma iniciativa do semanário Expresso e da Caixa Geral de Depósitos e o galardoado da 32ª. edição será revelado pelo júri no Palácio de Seteais, em Sintra no dia 14 de dezembro.

“O Prémio Pessoa pretende representar uma nova atitude, um novo gesto, no reconhecimento contemporâneo das intervenções culturais e científicas produzidas por portugueses”, refere a organização em nota de imprensa.

As candidaturas ao prémio fecham a 23 de novembro.

Em 2017, o Prémio Pessoa foi atribuído ao arquiteto Manuel Aires Mateus, com o júri a destacar “a arquitetura moderna, abstrata e contemporânea”, presente em projetos como o Centro de Criação Contemporânea de Tours e a sede da EDP em Lisboa.

O Prémio Pessoa foi atribuído pela primeira vez em 1987 ao historiador José Mattoso.

A pianista Maria João Pires, o arqueólogo Cláudio Torres, os escritores José Cardoso Pires e Mário Cláudio, o encenador Luís Miguel Cintra, a historiadora Irene Flunser Pimentel e o escultor Rui Chafes também já foram distinguidos com o Prémio Pessoa.

Ler mais
Recomendadas

Como surge a criatividade? É tudo uma questão de “trégua com as ideias”, diz Harrison Birtwistle

Um dos mais relevantes nomes da música erudita, da atualidade, defende que “as ideias provêm “do instinto”.

Guia Michelin 2019 com “novidades importantes” para os restaurantes ibéricos

Guia do próximo ano será apresentado em Lisboa, pela primeira vez, na 10.ª gala de apresentação organizada pela Michelin, e em que são revelados os restaurantes que conquistam, mantêm ou perdem estrelas do chamado ‘guia vermelho’, equiparado aos ‘Óscares da gastronomia’.

Jerónimos e Museu de Arqueologia com bilheteiras automáticas a partir de hoje

Este novo sistema “será depois alargado aos museus, palácios e monumentos com maior receita, numa etapa posterior a este período experimental”, segundo um comunicado da DGPC.
Comentários