Presidência da República confirma presença de Marcelo na posse de Jair Bolsonaro

A Presidência da República confirmou hoje que o chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, estará presente na posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil, no dia 01 de janeiro, em Brasília.

“Na sequência do convite da República Federativa do Brasil, o Presidente da República representará Portugal em Brasília, no dia 01 de janeiro de 2019, na cerimónia de tomada de posse do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro”, lê-se numa nota publicada no portal da Presidência da República na Internet.

Marcelo Rebelo de Sousa tinha anunciado no dia 30 de novembro que em princípio iria à posse de Jair Bolsonaro, durante uma visita ao Bazar Diplomático, no Centro de Congressos de Lisboa.

“Em princípio, vou à posse”, afirmou, na altura, em conversa com o embaixador do Brasil em Portugal, Luiz Alberto Figueiredo Machada.

No dia 29 de outubro, um dia após a eleição de Jair Bolsonaro, o chefe de Estado português defendeu que Portugal e o Brasil “têm de se dar bem” e disse esperar “um trabalho em conjunto a nível de chefes de Estado” durante o mandato do novo Presidente brasileiro.

O candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, de 63 anos, capitão do Exército brasileiro na reforma, filiado no Partido Social Liberal (PSL), foi eleito o 38.º Presidente da República Federativa do Brasil, com 55,1% dos votos, na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras, no dia 28 de outubro.

O seu adversário, Fernando Haddad, candidato do Partido dos Trabalhadores (PT), obteve 44,9% dos votos, e a abstenção registada foi de 21,3%, num universo de cerca de 147,3 milhões de eleitores inscritos, de acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral do Brasil.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários