Presidente brasileiro anuncia intervenção federal no Estado de Roraima até dia 31

O Presidente do Brasil, Michel Temer, anunciou na sexta-feira uma intervenção federal no Estado de Roraima, no norte do país e na fronteira com a Venezuela, até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Michel Temer, PMDB, 2016-

Michel Temer reuniu-se naquele dia em Brasília, capital do país, com várias autoridades, incluindo os ministros de Segurança Pública, Raul Jungmann, e da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, informando que vai decretar uma “intervenção negociada” no Estado de Roraima.

Aquele Estado brasileiro, um dos mais pobres do país, foi atingido nos últimos meses pela crise migratória, com a chegada de milhares de venezuelanos à região, levando Michel Temer a autorizar, em final de agosto, o uso de militares do Exército para garantir a segunda na fronteira brasileira.

Além disso, Roraima atravessa uma grave crise no seu sistema prisional.

O chefe de Estado brasileiro adiantou não ter encontrado nenhuma saída legal para ultrapassar a situação que está a ocorrer.

Segundo Michel Temer, a governadora de Roraima, Suely Campos, está “de acordo” com a intervenção negociada, pois acredita que a situação se está a complicar, e considerou que a medida é a melhor solução.

“Falei com a senhora governadora e disse que a única hipótese de solucionar esta questão” será “decretar a intervenção até à investidura” do novo governador de Roraima, Antonio Denarium.

“Com isso queremos, na realidade, pacificar as questões de Roraima”, frisou Temer que já tinha decretado em fevereiro passado uma intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, que deverá manter-se até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Na sexta-feira, mulheres de polícias e militares fecharam várias esquadras, quartéis dos bombeiros e unidades militares, no Estado brasileiro de Roraima, em protesto contra os atrasos salariais dos seus maridos.

Ler mais
Recomendadas

Respostas Rápidas: Como é que o Reino Unido chegou à crise em que se está a afundar?

Razões históricas mas também de política interna motivam uma situação que está a extremar-se para lá das mais radicais das previsões.

Avianca Brasil avança com pedido de “recuperação judicial” por causa das dívidas

Companhia aérea brasileira, detida por Germán Efromovich (concorrente derrotado na privatização da TAP em 2015), “está sob o risco de paralisar as suas operações e de devolver aeronaves”, noticia a “Exame”.

China poderá reduzir tarifas às importações de automóveis produzidos nos EUA

Avanço nas negociações entre os EUA e a China pode reforçar as tréguas comerciais que começaram no passado dia 1 e têm um prazo de 90 dias. Ações das grandes construtoras mundiais subiram. Vendas de automóveis no mercado chinês desaceleraram no segundo semestre do ano.
Comentários