Presidente brasileiro anuncia intervenção federal no Estado de Roraima até dia 31

O Presidente do Brasil, Michel Temer, anunciou na sexta-feira uma intervenção federal no Estado de Roraima, no norte do país e na fronteira com a Venezuela, até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Michel Temer, PMDB, 2016-

Michel Temer reuniu-se naquele dia em Brasília, capital do país, com várias autoridades, incluindo os ministros de Segurança Pública, Raul Jungmann, e da Defesa, general Joaquim Silva e Luna, informando que vai decretar uma “intervenção negociada” no Estado de Roraima.

Aquele Estado brasileiro, um dos mais pobres do país, foi atingido nos últimos meses pela crise migratória, com a chegada de milhares de venezuelanos à região, levando Michel Temer a autorizar, em final de agosto, o uso de militares do Exército para garantir a segunda na fronteira brasileira.

Além disso, Roraima atravessa uma grave crise no seu sistema prisional.

O chefe de Estado brasileiro adiantou não ter encontrado nenhuma saída legal para ultrapassar a situação que está a ocorrer.

Segundo Michel Temer, a governadora de Roraima, Suely Campos, está “de acordo” com a intervenção negociada, pois acredita que a situação se está a complicar, e considerou que a medida é a melhor solução.

“Falei com a senhora governadora e disse que a única hipótese de solucionar esta questão” será “decretar a intervenção até à investidura” do novo governador de Roraima, Antonio Denarium.

“Com isso queremos, na realidade, pacificar as questões de Roraima”, frisou Temer que já tinha decretado em fevereiro passado uma intervenção federal na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro, que deverá manter-se até 31 de dezembro, quando termina o seu mandato.

Na sexta-feira, mulheres de polícias e militares fecharam várias esquadras, quartéis dos bombeiros e unidades militares, no Estado brasileiro de Roraima, em protesto contra os atrasos salariais dos seus maridos.

Ler mais
Recomendadas

Arábia Saudita e Emirados “preocupados” com eventual subida dos ‘stocks’ de petróleo

“Nenhum de nós quer ver os stocks novamente a aumentar, temos de ser cautelosos”, disse o ministro da Economia da Arábia Saudita, referindo-se à situação no final de 2018 que levou a uma quebra acentuada do preço do “ouro negro” no mercado internacional.

Europeias: Timmermans diz que socialistas nunca irão aliar-se à extrema-direita

O candidato dos socialistas europeus também defendeu a “redução da diferença salarial entre mulheres e homens, atualmente na ordem dos 16%”, bem como o estabelecimento “de salários mínimos” para toda a UE, que seriam fixados em 60% do salário médio verificado em cada Estado-membro.

Candidato conservador à presidência da Comissão Europeia defende medidas migratórias mais duras

Weber, que deseja suceder a Jean-Claude Juncker na liderança do executivo comunitário, enalteceu a diversidade do continente europeu, salientando, porém, que existe um aspeto que é comum na Europa: “É baseada no cristianismo e orgulhamo-nos disso”.
Comentários