PremiumPresidente da ARAN: “O cenário é muito pior do que as estatísticas aparentam”

A associação que representa o setor automóvel vai hoje pedir ao Governo apoios para atenuar o impacto de uma quebra de (pelo menos) 41% nas vendas. Redução do ISV, isenção do IUCe aumento das deduções à coleta do IVA são as medidas em destaque.

As estatísticas podem não mentir, mas por vezes não mostram a verdade completa. Os números das vendas de automóveis em Portugal, divulgadas pela ACAP, revelam uma quebra de 41%no acumulado até agosto, face ao período homólogo no ano passado. Esse tombo impressionante poderá, contudo, nem ser tão impressionante quanto a realidade, afirma Rodrigo Ferreira da Silva, presidente da Associação Nacional do Ramo Automóvel (ARAN), ao Jornal Económico (JE).

“O cenário é muito pior do que as estatísticas aparentam, pois há muitos carros matriculados que não foram vendidos”, diz. Além disso, “muitas marcas por questões ambientais, por causa da implementação das novas normas do WTLP, a nova fórmula de medidas e emissões, vão ter que matricular centenas de carros até ao fim do ano, portanto começaram a matricula-los aos poucos, em fatias mais pequenas para o problema não ser tão grande em dezembro”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Allianz compra 75% da Galp Gás Natural Distribuição

A operação ficou fechada por 368milhões de euros. A Galp Gás Natural Distribuição detém nove empresas regionais de distribuição de gás natural em Portugal.

Estudo de impacto ambiental dá ‘luz verde’ ao projeto de modernização do terminal de contentores de Alcântara

Em entrevista ao Jornal Económico, Diogo Marecos, administrador da Liscont, concessionária do terminal detida pelo grupo turco Yilport, garante que a empresa está pronta para avançar com este projeto no primeiro trimestre de 2021, cujo investimento, de 120 milhões de euros, será da sua exclusiva responsabilidade.

Liscont prossegue trabalho no porto de Lisboa apesar de greve de estivadores se manter desde 19 de fevereiro

Diogo Marecos reconhece, em declarações ao Jornal Económico, que a atividade da empresa foi afetada pela greve e pela fuga de armadores internacionais do porto de Lisboa, uma situação que o Grupo Yilport está tentar ultrapassar.
Comentários