Presidente da CIP esclarece que “não tem intervenção partidária”

António Saraiva, presidente da CIP foi dado como certo para coordenador do “Movimento X”, um espaço de reflexão mobilizado por Pedro Duarte, e até participou na primeira reunião do movimento. Mas contesta estar vinculado a qualquer projeto partidário.

Cristina Bernardo

O presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, esclareceu esta quinta-feira, em comunicado, que não está “vinculado a qualquer projeto partidário”.

Em causa está a notícia do jornal “Expresso” que, no fim-de-semana passado, revelou que o presidente da CIP iria ser “o coordenador da área de economia e indústria” do Manifesto X, mobilizado pelo social-democrata Pedro Duarte.

Aquele jornal disse também que António Saraiva, no passado dia 29 de novembro, participou na primeira reunião de coordenadores do “Manifesto X”. Sobre a participação nesta reunião, o presidente da CIP esclareceu, na nota divulgada esta quinta-feira, que acedeu “a um convite do seu promotor, Pedro Duarte, para veicular as suas ideias e pontos de vista em matéria empresarial e económica”.

“Enquanto dirigente da CIP, António Saraiva não tem intervenção partidária, além da intervenção na defesa dos interesses dos associados da CIP”, lê-se no documento. De resto, o presidente da CIP explicou ainda que a participação naquela reunião “resumiu-se à promoção das ideias e soluções que a CIP propõe para a economia portuguesa, respondendo a um convite nesse sentido, da mesma forma que tem participado em diversos encontros, fóruns e movimentos de várias organizações da sociedade, sempre que solicitado”.

Pedro Duarte lançou o “Manifesto X”,  uma iniciativa cujo objetivo é criar um programa alternativo para o país.  De resto, o social-democrata já afirmou estar disponível para avançar para a liderança do PSD contra Rui Rio.

 

 

Ler mais
Relacionadas

PSD preocupado com atraso no pagamento do subsídio de natal à Frente Mar

Os sociais democratas dizem que o executivo camarário explicou este atraso no pagamento com uma decisão de gestão. O vereador do PSD refere que não compreende esta medida e que “não vê razão” havendo disponibilidade financeira para este pagamento ter sido feito fora de prazo.

Cafôfo culpa PSD por descaracterizar o Mercado dos Lavradores

O presidente do autarquia diz que o seu executivo camarário tem feito investimento nos mercados municipais no sentido de os revitalizar, e anunciou que o município está a preparar um candidatura a fundos europeus para reabilitar a Praça do Peixe no Mercado dos Lavradores com uma estrutura museológica.

CIP diz no Parlamento que o Brexit trará fortes inconvenientes às trocas bilaterais

António Saraiva foi esta terça-feira ouvido na Comissão de Assuntos Europeus, numa audição pedida pelo Grupo Parlamentar do CDS-PP.

Marrocos pode abrir mercado francófono às empresas portuguesas, realça António Saraiva

António Saraiva realçou ao Jornal Económico a importância da aproximação das empresas portuguesas a Marrocos no sentido de diversificar os mercados de exportação e abrir portas ao mercado francófono. Tem hoje lugar em Lisboa o Fórum Económico Portugal-Marrocos.
Recomendadas

Lei laboral: O que dizia o acórdão do Tribunal Constitucional de 2008?

Partidos à esquerda do PS vão pedir apreciação da lei laboral ao Tribunal Constitucional e recordam acórdão de 2008 sobre o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias para trabalhadores indiferenciados.

Legislação laboral: PCP e Bloco vão pedir a fiscalização ao Constitucional

A menos de dois meses das eleições legislativas, estalou o verniz entre os partidos da geringonça. Os parceiros parlamentares do PS querem que o Tribunal Constitucional fiscalize as alterações à lei do trabalho.

Trump promete não construir torre se comprar a Gronelândia

“Prometo não fazer isto na Gronelândia”, afirma Trump no Twitter. A publicação do presidente sobre a compra da ilha dinamarquesa pode querer significar que Donald Trump quer avançar com a oferta irrealista. O Governo de Copenhaga já deixou bem claro que a Gronelândia não está à venda e que a ideia é “absurda”.
Comentários