Presidente do Banco Mundial abandona cargo com missão de descabonização por concluir

Jim Kim ganhou o título de presidente que mais combateu as alterações climáticas na história do Banco Mundial. Apesar de ter implementado medidas mais ecológicas no maior banco do mundo, continua a financiar combustíveis fósseis. O seu legado pode ser desafiado se os EUA escolherem seu sucessor.

Jim Kim apresentou, esta semana, a sua demissão do cargo de chefe do Banco Mundial depois de três anos a liderar a entidade financeira. Para além de ter apanhado todos de surpresa, deixou por concluir a missão de descarbonização total que havia estipulado no seu plano de ação, escreve o ”Climate Change News”.

Segundo a ”Reuters”, Kim enviou uma carta aos funcionários do banco que dizia: “Concluí que este é o caminho pelo qual eu conseguirei causar o maior impacto em importantes questões globais como a mudança climática e o défice de infraestrutura em mercados emergentes.”

Especialistas dão destaque a Jim Kim como o presidente que mais combateu as alterações climáticas na história do Banco Mundial. ”Jim Kim tem sido o mais estridente dos presidentes do banco no que toca a cumprir metas de prevenção ao aquecimento global, uma tarefa importante nos tempos que correm”, disse a investigadora Glada Lahn da ONG Chatham House.

Para ler o artigo completo no Greensavers clique aqui. 

Relacionadas

Donald Trump com palavra a dizer sobre novo presidente do Banco Mundial

Historicamente, todos os líderes do Banco Mundial têm sido norte-americanos. O novo nome, ou lista de candidatos, vai ser escolhido por Donald Trump, antes de ser submetido ao conselho executivo da organização, que é quem tem a palavra final.

Banco Mundial tem 200 mil milhões para combater alterações climáticas

Um investimento de 200 mil milhões de dólares vai ser feito pelo Banco Mundial para ajudar os países a combaterem as alterações climáticas. “Os mais pobres e mais vulneráveis do mundo correm maior risco com as alterações climáticas”.

Financiamento ligado às alterações climáticas subiu 28% para 35,2 mil milhões, anuncia BAD

“Do total do ano passado, 27,9 mil milhões de dólares, representando 79%, foi dedicado a projetos de mitigação das alterações climáticas que pretendem reduzir emissões nocivas e abrandar o aquecimento global”, anunciou hoje o Banco Africano de Desenvolvimento.
Recomendadas

É necessária uma avaliação ambiental estratégica para o aeroporto do Montijo? Especialistas divididos

O alargamento da base aérea do Montijo, para ser complementar ao aeroporto da Portela, tem levantado várias questões, nomeadamente dos ambientalistas e de alguns partidos políticos, sendo uma das críticas o atraso na apresentação do estudo de impacte ambiental ou a ausência de uma avaliação ambiental estratégica.

Cerca de duas centenas manifestam-se contra exploração de urânio junto à fronteira

Cerca de duas centenas de portugueses e espanhóis manifestaram-se este sábado na fronteira de Saucelle, a seis quilómetros de Freixo Espada à Cinta, para protestar contra a abertura de uma mina de urânio na província espanhola de Salamanca.

Alterações climáticas: 60% das plantações selvagens de café em risco de extinção

“Uma percentagem de 60% de todas as espécies de café em risco de extinção é extremamente alta, especialmente quando se compara isso a uma estimativa global de 22% das plantas em risco de extinção”, disse Eimear Nic Lughadha. Com o aumento das temperaturas globais, os investigadores estimam a produção desta planta deva cair pela metade até o final do século.
Comentários