Presidente do Parlamento da Venezuela detido pelos serviços secretos já foi libertado

O Presidente da única instituição controlada pela oposição foi detido quando estava a caminho de uma reunião fora de Caracas e libertado pouco depois sem que as razões da detenção tivessem sido explicadas.

O presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaido, a única instituição controlada pela oposição, foi este domingo detido pelos serviços secretos de informação, quando estava a caminho de uma reunião fora da capital Caracas.

O alerta foi lançado pela esposa e confirmado pelos deputados que o aguardavam para a reunião a cerca de 40 quilómetros de Caracas. “O SEBIN (Serviço Secreto Bolivariano de Informações) prendeu Juan Guaido”, escreveu Fabiana Rosales, esposa do presidente do Parlamento na sua conta de Twitter.

Pouco tempo depois surgiu uma mensagem na conta oficial de Juan Guaido no Twitter: “Alertamos o mundo e o país que hoje, 13 de janeiro, o comando do SEBIN deteve o presidente da Assembleia Nacional e não sabemos onde se encontra”.

Segundo a imprensa local cerca de uma dezena de autocarros das secretas foram utilizadas na operação de detenção, que terminou sem que tivessem sido explicadas as razões da detenção nem o local para onde Guaido foi levado.

Recomendadas

Senado brasileiro rejeita decreto de Bolsonaro que facilita posse de armas

O projeto que anula o decreto de Bolsonaro segue agora para análise na Câmara dos Deputados. O tema deverá tramitar em regime de urgência, indo direto para o plenário. Não há, porém, prazo para a votação.

Trump anuncia oficialmente a recandidatura à Casa Branca

O Presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a sua recandidatura à Casa Branca e, num comício em Orlando, Flórida, voltou a acusar os jornalistas de serem “Fake News” e disse que o país tem a melhor economia de sempre.

Planeta Terra: uma máquina de produzir refugiados

Desde sempre que os refugiados são um problema político, mas, num momento em que a questão está a mudar o rumo da Europa, as autoridades demonstram não fazer a mais pálida ideia sobre uma solução para o problema.
Comentários