Presidente do Parlamento da Venezuela detido pelos serviços secretos já foi libertado

O Presidente da única instituição controlada pela oposição foi detido quando estava a caminho de uma reunião fora de Caracas e libertado pouco depois sem que as razões da detenção tivessem sido explicadas.

O presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaido, a única instituição controlada pela oposição, foi este domingo detido pelos serviços secretos de informação, quando estava a caminho de uma reunião fora da capital Caracas.

O alerta foi lançado pela esposa e confirmado pelos deputados que o aguardavam para a reunião a cerca de 40 quilómetros de Caracas. “O SEBIN (Serviço Secreto Bolivariano de Informações) prendeu Juan Guaido”, escreveu Fabiana Rosales, esposa do presidente do Parlamento na sua conta de Twitter.

Pouco tempo depois surgiu uma mensagem na conta oficial de Juan Guaido no Twitter: “Alertamos o mundo e o país que hoje, 13 de janeiro, o comando do SEBIN deteve o presidente da Assembleia Nacional e não sabemos onde se encontra”.

Segundo a imprensa local cerca de uma dezena de autocarros das secretas foram utilizadas na operação de detenção, que terminou sem que tivessem sido explicadas as razões da detenção nem o local para onde Guaido foi levado.

Recomendadas

Brexit: UE concorda com extensão mas impõe 22 de maio como data-limite

“O Conselho Europeu concorda com uma extensão até 22 de maio de 2019, desde que o Acordo de Saída seja aprovado pela Câmara dos Comuns na próxima semana”, lê-se no comunicado.

“Não há mais como escapar”. Como os políticos brasileiros reagiram à detenção de Michel Temer

A Polícia Federal brasileira deteve hoje de manhã Michel Temer e tenta cumprir outros mandados contra aliados do antigo Presidente brasileiro, numa ação a pedido dos investigadores da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. As reações não se fizeram esperar.

Extrema-direita holandesa ganha eleições provinciais e assusta liberais

O primeiro-ministro liberal Mark Rutte pode ter os dias contados à frente do governo. A extrema-direita, herdeira de Geert Wilders, estará em breve à frente do Senado. Mais um sinal de alerta-vermelho para a União Europeia.
Comentários