PREVPAP integra 610 trabalhadores precários

O Ministério do Interior emitiu um comunicado em que informa a integração na Autoridade Nacional de Proteção Civil de trabalhadores da Força Especial de Bombeiros e nos comandos de operações de socorro.

No âmbito do Programa de Regularização dos Vínculos Precários da Administração Pública (PREVPAP), foi homologado o parecer da Comissão de Avaliação relativo à Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), com vista à integração de 610 trabalhadores em situação precária, refere em comunicado o Ministério da Administração Interna.

“A ANPC vai agora proceder à abertura dos respetivos procedimentos concursais para a integração destes 610 trabalhadores que prestam serviço na Força Especial de Bombeiros e nos Comandos Nacional e Distritais de Operações de Socorro (operadores de telecomunicações), operacionais que há vários anos desempenham funções essenciais ao sistema de proteção civil, sem o adequado vínculo laboral”, diz ainda o comunicado.

Esta regularização dos trabalhadores precários da administração pública, “que tem sido uma das prioridades do Governo” – mas que tem igualmente sido alvo de críticas por parte da oposição e até dos partidos que suportam o executivo no parlamento – “vem dignificar o estatuto profissional destes trabalhadores, que são parte fundamental na estrutura da proteção civil, quer na resposta permanente a situações de emergência, com destaque para o combate a incêndios florestais, quer para assegurar as comunicações em situações de acidente grave e catástrofe e o despacho de meios dos agentes de proteção e socorro”.

Só na administração central, o PREVPAP teve mais de 30 mil candidaturas de trabalhadores a recibos verdes, com contratos emprego-inserção ou a termo certo e estagiários que consideram estar a assegurar funções permanentes nos serviços públicos.

Recomendadas

PGR: PCP exige “garantia do melhoramento do trabalho desenvolvido”

Como já foi afirmado publicamente, o PCP não se pronuncia sobre nomes, mantendo a sua recusa de pessoalização da nomeação para o cargo”, refere o comunicado do PCP na sequência da nomeação de Lucília Gago como nova procuradora-geral da República.

PGR: Costa defende mandato “longo e único” de magistrado do Ministério Público

O primeiro-ministro defende em carta hoje enviada ao Presidente da República que o procurador-geral da República deve exercer um mandato “longo e único”, sendo desejável para essas funções um magistrado experiente do Ministério Público.

PGR: Passos Coelho diz que faltou “decência” para justificar saída de Joana Marques Vidal

Nestes anos de mandato, que a Constituição determina poder ser renovável, entendeu quem pode que a senhora procuradora deveria ser substituída. Não houve, infelizmente, a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”, escreve Passos Coelho, num artigo de opinião publicado na quinta-feira no jornal ‘online’ Observador.
Comentários