Primeira-dama de Cabo Verde diz que país está preparado para mulher presidente

“Já tivemos no Governo, podemos ter mulheres presidentes nos parlamentos municipais, nacionais, podemos ter uma candidata a Presidente da República, o povo está preparado para isso, falta é a dinâmica que impulsione que isto venha a acontecer”, realçou Lígia Fonseca.

A primeira-dama de Cabo Verde afirmou recentemente que a sociedade cabo-verdiana está preparada para ser liderada por uma mulher Presidente da República, mas que faltam dinâmicas que impulsionem essa possibilidade, apelando a uma maior participação das mulheres na vida política.

Lígia Fonseca fez estas declarações à imprensa, à margem da ‘conversa aberta’ sobre a “participação das mulheres na vida política”, um evento dirigido às mulheres nacionais e estrangeiras, promovido pela Associação “Kabas di Terra”, na Igreja do Nazareno, no bairro de Alto da Glória, Cidade da Praia.

Questionada sobre se tem havido ações que promovam um maior impulsionamento e participação das mulheres na vida política, Lígia Fonseca disse que tem havido vários espaços de discussão e debate sobre as várias questões ligadas à participação da mulher na sociedade, lembrando sobre a discussão da Lei da Paridade em Cabo Verde.

“Não tenho dúvida alguma de que a sociedade cabo-verdiana está preparada para aprovação da lei da paridade (…). Já tivemos no Governo, podemos ter mulheres presidentes nos parlamentos municipais, nacionais, podemos ter uma candidata a Presidente da República, o povo está preparado para isso, falta é a dinâmica que impulsione que isto venha a acontecer”, realçou.

Lígia Fonseca salientou a importância da aprovação dessa lei frisando, entretanto, que a mesma fará sentido se os destinatários, neste caso as mulheres, participarem porque sustentou, “não vale a pena ter uma lei que diz que tem que ter a participação igualitária de homens e mulheres nos processos eleitorais se as mulheres não estiverem sensibilizadas, realmente, para isso”.

No seu entender, essa lei tem que ir ao encontro de uma vontade.mulher A seu ver, as mulheres têm que sentir confortadas, apoiadas e, acima de tudo, têm que ser formadas e informadas para poderem participar nos momentos que são chamadas a intervir, participando nos processos eleitorais.

A primeira-dama defendeu, no entanto, que as mulheres devem participar ativamente nas suas comunidades e cidades onde residem. “Quando as mulheres virem outras participarem, estamos a ser exemplos para as mais jovens. As mulheres são chamadas a opinar e isto é uma bola de neve que vai nos levar para aquilo que nós queremos: homens e mulheres a participarem de igual forma na construção das melhores soluções para o desenvolvimento do país”, disse.

Ler mais
Recomendadas

União Europeia financia segurança documental em Cabo Verde e Guiné-Bissau

O acordo facilita registos civis, emissão de documentos de viagem, passaportes e documentos de identificação entre os cidadãos dos dois países.

Acordo de modalidade da CPLP só será finalizado em novembro

“A comissão técnica deve apresentar o texto final aos ministros dos Negócios Estrangeiros, na sessão extraordinária do Conselho de Ministros da CPLP, previsto para janeiro de 2020, em Cabo Verde”, disse Luís Filipe Tavares.

Centro de Língua Portuguesa Camões inaugurado amanhã em Mindelo

O centro de língua portuguesa localizado em Cabo Verde integra uma rede de mais de 70, presentes em 43 países, e é financiado pelo Instituto Camões.
Comentários