Primeiro hotel Pestana CR7 em Espanha abre portas no primeiro trimestre de 2019

O hotel, localizado na Gran Vía de Madrid, faz parte de uma estratégia de expansão que integra uma unidade hoteleira em Nova York, perto de Times Square, cuja abertura ao público está prevista para 2018.

Pestana CR7 Funchal
Ler mais

O primeiro hotel Pestana CR7 em Espanha vai abrir portas no primeiro trimestre de 2019, apurou o Económico Madeira junto de fonte da administração do grupo.

O hotel, localizado na Gran Vía de Madrid, faz parte de uma estratégia de expansão que integra uma unidade hoteleira em Nova York, perto de Times Square, cuja abertura ao público está prevista para 2018.

Recorde-se que, para além Pestana CR7 no Funchal, o  grupo é também proprietário de um hotel em Lisboa. O investimento global nas quatro unidades ronda os 75 milhões de euros.

“Sempre tive o sonho de ter um hotel”. Em 2015, quando anunciou a parceria com o grupo Pestana, Cristiano Ronaldo deu conta do seu desejo de investir no ramo hoteleiro e no mercado português. O sonho do craque madeirense cumpriu-se. Cristiano Ronaldo é dono de quatro unidades hoteleiras e tem outros projetos em vista.

A Madeira foi o local escolhido para construir o seu primeiro  hotel. Ronaldo não esquece as suas origens e escolheu o Funchal e Lisboa para avançar com os primeiros projetos hoteleiros. “É na Madeira que temos as nossas raízes e famílias. É onde tudo começou”, justificou Cristiano Ronaldo, na altura.

 

Recomendadas

Feira discute novas abordagens à economia social

O evento é ainda marcado por atuações musicais e por um workshop de chocolate.

Alberto II: de apreciador a confrade do Vinho Madeira

Príncipe Alberto II do Mónaco foi entronizado confrade do Vinho Madeira esta sexta-feira, declarando-se apreciador do vinho tal como o seu pai e o tetravô.

Dívida da Madeira diminui 103 milhões de euros no segundo trimestre

No final do segundo trimestre a dívida regional estava fixada em 4.709 milhões de euros. A Madeira teve também uma queda no peso dos empréstimos dos 73,2% para os 71,6%.
Comentários