Primeiro-ministro aponta matérias sociais como base para novos acordos à esquerda

O primeiro-ministro espera ter a confiança dos portugueses para fazer mais um mandato neste cargo e considera que matérias sociais como saúde, educação e combate às desigualdades podem ser base para novos acordos à esquerda.

staO primeiro-ministro espera ter a confiança dos portugueses para fazer mais um mandato neste cargo e considera que matérias sociais como saúde, educação e combate às desigualdades podem ser base para novos acordos à esquerda.

Em entrevista à agência Lusa, António Costa afasta no entanto a possibilidade de exigir a inclusão de matérias que dividem o PS dos partidos à sua esquerda em futuros acordos de Governo, como as questões europeias e de defesa nacional.

“Só se não tivesse vontade de chegar a um entendimento com os outros é que punha como condição haver acordo sobre matérias em que, à partida, já sabemos que não vai haver acordo”, alega.

Quanto à renovação ou não da atual solução inédita de Governo com o Bloco de Esquerda, PCP e PEV, o primeiro-ministro afirma querer “dar continuidade a uma formação política que surpreendeu muita gente há três anos, mas que hoje já entrou na normalidade do quotidiano de todos”.

“Da minha parte, de facto, não faço depender da existência de maioria ou ausência de maioria a manutenção destas posições conjuntas com o PEV, PCP e Bloco de Esquerda – assim haja temas sobre os quais possamos voltar a convergir na próxima legislatura. Espero que haja, porque seguramente há muito trabalho a continuar”, defende.

Segundo o primeiro-ministro, “há muito emprego ainda a criar, o país ainda tem muitas desigualdades para combater, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) ainda precisa de muitas melhorias e o sistema educativo precisa ainda de muitas melhorias”.

“Há muito a fazer para reduzir as desigualdades e para erradicar a pobreza, há muito a fazer para o desenvolvimento e para reforçar a coesão territorial com o interior. Portanto, não faltam temas para continuarmos a trabalhar em conjunto – e assim espero. Só desejo que os outros também assim o desejem continuar a fazer”, salienta.

Questionado como encara a mensagem do Bloco de Esquerda de que está pronto para integrar o Governo, António Costa argumenta que “as relações entre os partidos são como as relações entre as pessoas”, citando mesmo a este propósito um princípio que tem sido preconizado pelo PCP.

“O PCP tem, aliás, uma boa frase sobre isso: O grau de compromisso depende do grau de convergência. Se nós estivéssemos 100% de acordo, bom, provavelmente até fundíamos os partidos. Se temos partidos diferentes é porque não estamos 100% de acordo. Se o nível de divergência for significativo, como é, eu creio que não seria o melhor caminho”, afirma ainda em resposta à questão sobre a integração de bloquistas no futuro executivo.

Em conclusão, António Costa entende que “é melhor uma boa amizade do que uma má relação” entre o PS com o Bloco de Esquerda, PCP e PEV.

“Portanto, acho que devemos preservar uma boa relação, sem prejuízo de que, como em todas as relações, possa haver evoluções. Agora, acho que não faz sentido começar a discussão se há ou não há um Governo conjunto antes de se saber sequer se há ou não há uma posição conjunta”, argumenta.

Interrogado se o Governo, no plano político, deu prioridade ao PCP e tentou secundarizar o Bloco de Esquerda nas negociações do Orçamento do Estado para 2019, o primeiro-ministro recusa, contrapondo a ideia de que a relação do executivo “é franca e leal com todos os parceiros”.

“Enfim, varia muito de ano para ano qual dos partidos consegue comunicar melhor, entre aspas, os seus ganhos negociais. Houve uns anos em que as pessoas diziam que os grandes ganhos eram do Bloco de Esquerda, outros em que diziam que os grandes ganhos eram do PCP. Por mim, registo simplesmente que os grandes ganhos têm sido da economia nacional e dos portugueses, que são quem tem beneficiado desta política económica conduzida pelo Governo do PS com o apoio parlamentar do Bloco de Esquerda, do PCP e do PEV”, advoga.

Ainda sobre o atual estado das relações entre os partidos que fazem parte da atual maioria parlamentar, designadamente sobre a linha de orientação política que saiu da Convenção do Bloco de Esquerda no sentido de se lutar contra a possibilidade de maioria absoluta do PS, António Costa critica e diz ter “pena que Catarina Martins” tenha caracterizado a história desta legislatura como a história da “luta da esquerda contra o PS e que saia da Convenção estabelecendo como principal objetivo enfraquecer o resultado eleitoral do PS”.

“O PS apresenta-se às eleições não concorrendo contra ninguém, mas apresentando aquilo que considera melhor para Portugal e para os portugueses. Achamos que a forma inteligente de construir boas soluções políticas não é estar a cavar linhas de combate com os nossos parceiros parlamentares, mas continuar a assegurar que há uma boa alternativa à direita que oferece ao país crescimento económico, mais e melhor emprego, menor desigualdade, contas certas e credibilidade internacional reposta”, completa.

António Costa manifesta mesmo a sua esperança de que Bloco de Esquerda, PCP e PEV “não vivam obcecados com os resultados eleitorais do PS”.

“Nós também não vivemos obcecados com os resultados eleitorais que eles vão ter”, defende.

Questionado se aceita que o presidente do PSD, Rui Rio, tem assumido um estilo de oposição moderado em relação ao Governo e sobretudo em relação a si enquanto primeiro-ministro, António Costa comenta apenas que o líder social-democrata “tem feito a oposição que entende fazer”.

A seguir, deixa uma crítica ao estilo de oposição antes protagonizado por Pedro Passos Coelho.

“Não é normal na vida política acontecer o que acontecia com a anterior liderança do PSD, que era existir um grau de conflitualidade exacerbado que, objetivamente, era muito penalizador do funcionamento da democracia”, sustenta.

Interrogado sobre como reage quando escuta a tese de que Rui Rio pretende no fundo ser seu vice-primeiro-ministro num futuro Governo, António Costa responde: “Eu ouvir, ouvi, mas não sei bem de onde é que vem essa ideia, visto que eu próprio já explicitei várias vezes que considero a existência de blocos centrais, salvo em situação de calamidade extrema, negativa para a democracia”.

“Da parte do doutor Rui Rio, por acaso, tenho ouvido exatamente o mesmo, que é entender que o Bloco Central é uma forma anómala em democracia de governação, salvo em situação extrema”, observa.

Sobre a hipótese de contar novamente num novo Governo socialista com Augusto Santos Silva como ministro dos Negócios Estrangeiros e Mário Centeno na pasta das Finanças, ou se prefere um dos dois para futuro comissário europeu, o primeiro-ministro recusa-se a esclarecer, argumentando que especular sobre o futuro executivo seria “um desrespeito”, já que estaria a antecipar soluções governativas que dependem do voto dos portugueses.

“A campanha eleitoral será no seu momento próprio. Temos ainda muito trabalho para fazer antes de estarmos em campanha eleitoral e antes de termos de aguardar pelo resultado eleitoral para tratar da composição do novo Governo”, acrescenta.

Sobre uma eventual recandidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, o primeiro-ministro afirma que acredita sempre no Presidente da República. “Quando ele diz que não tem uma posição tomada, eu só posso acreditar que ele não tem uma decisão tomada”, declara.

Ler mais
Recomendadas

PR defende Lei de Bases da Saúde flexível e espera o maior acordo possível entre partidos

O chefe de Estado disse ainda esperar que haja “o maior acordo possível” entre os partidos na votação de uma Lei de Bases da Saúde “flexível”.

Marcelo afirma que “autonomia do Ministério Público é indiscutível”

O Presidente da República reagia assim à greve convocada hoje, pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, contra a intenção do PS e PSD de alteração na estrutura do Conselho Superior do Ministério Público, compondo-o maioritariamente por não magistrados.

PSD quer ouvir ministro do Ensino Superior sobre dificuldades financeiras nas universidades e politécnicos

Os sociais-democratas defendem que as universidades e politécnicos são fundamentais para o desenvolvimento territorial e uma asfixia a estas instituições significa penalizar a região.
Comentários