Primeiro-ministro diz que recuperação “vai ser caminho longo” de dois ou três anos

António Costa admitiu que muitos consideram que houve um retrocesso a novembro de 2015, aquando do início da governação socialista, mas salientou a recusa da austeridade como resposta à crise provocada pela pandemia.

O primeiro-ministro advertiu que a recuperação económica e social de Portugal “vai ser um caminho longo”. “Não é algo que se faça em dois meses nem seguramente num ano. Há quem diga que serão dois ou três”, disse, na qualidade de secretário-geral do PS, numa reunião da comissão política nacional dos socialistas, ressalvando que é necessário “lançar o mais depressa possível as condições para possamos ter um programa de recuperação”.

António Costa admitiu que para muitos estará em causa “regressar ao principio, como se estivéssemos em novembro de 2015, e tivéssemos de voltar a empurrar a pedra montanha acima”, visto que em dois meses de pandemia de Covid-19 “perdemos muito do que tínhamos conseguido reconstruir nos últimos cinco anos”. Não só se perderam 100 mil empregos em dois meses, após um saldo positivo de 350 mil desde que sucedeu a Pedro Passos Coelho na presidência do Conselho de Ministros, como “sem medidas como o lay-off teríamos seguramente mais umas centenas de milhar de desempregados”.

No entanto, o líder socialista reforçou a convicção de que existem condições para responder à crise, tendo voltado a defender que ficou demonstrado que não é com austeridade e sim com defesa do emprego e dos rendimentos que isso será possível.

Pouco antes, António Costa deixara claro que o PS não está interessado num Bloco Central com o PSD, apostando numa “continuidade com as políticas que seguimos desde 2015”.

Relacionadas

António Costa deixa aviso a Rui Rio: “Connosco não haverá Bloco Central”

Primeiro-ministro garantiu que o seu Governo vai manter uma continuidade das políticas seguidas desde 2015, afastando qualquer hipótese de entendimento com os sociais-democratas. “Quero deixar claro que não mudei de ideias desde que me candidatei a secretário-geral do PS, em 2014”, disse.
Recomendadas

Políticos mantêm férias “cá dentro” em tempo pandémico

O primeiro-ministro vai para o Algarve e Rui Rio migra para Viana do Castelo, Já Eduardo Ferro Rodrigues vai dividir o seu tempo entre Altura e a Praia Grande. São estes os destinos dos políticos portugueses nas férias de verão.

Presidente da República defende ser preciso construir e aprofundar todos os dias relação com o Brasil

Marcelo Rebelo de Sousa concedeu existir uma leitura política a fazer, que é a de ser necessário “construir e aprofundar” todos os dias a relação entre os dois países e a relação “mundo dos falantes da língua portuguesa”.

Autárquicas: Ventura diz que eleições vão marcar “início do fim do reinado de António Costa”

“Um dia, António Costa disse: se tiverem força derrubem o meu Governo. Pois eu aqui estou para dizer que, cedo ou tarde, o teu Governo, António Costa, há de cair e nós, portugueses de bem, voltaremos a governar o país que ainda nos pertence”, defendeu o líder do Chega.
Comentários