Primeiro pivô virtual já está a substituir jornalistas na China

O novo “empregado” da agência de notícias chinesa foi baseado num jornalista real que também trabalha na Xinhua News Agency.

Os pivôs de televisão artificiais evoluíram muito desde que Max Headroom apareceu nos ecrãs em 1985. Max era um ator cujas imagens eram tratadas para lhes dar um aspeto e discurso artificiais, mas o novo pivot da agência de notícias chinesa Xinhua News Agency é 100% artificial.

Não há informação acerca da tecnologia que foi utilizada para criar este pivô de TV artificial, mas deverão utilizar os últimos avanços na tecnologia de ‘machine learning‘. A agência utilizou imagens de jornalistas reasis como base e depois animaram partes da boca e da cara para transformar o orador no que na essência é uma marioneta. Depois, bastou juntar uma voz sintetizada. Tudo isto a uma velocidade muito maior que se se utilizasse sistemas gráficos digitais tradicionais.

De acordo com as notícias publicadas pela Xinhua e pelo jornal “South China Morning Post“, existem dois apresentadores virtuais – para divulgar notícias em Inglês e/ou para Chinês -, que foram criados em colaboração com a empresa de motores de busca Sogou. Segundo a Xinhua, estes novos “jornalistas” podem ser utilizados para ler notícias para emissões de TV, web e móvel com custos muito mais baixos. Cada um pode trabalhar 24 horas por dia no site e nas redes sociais, reduzindo os custos e melhorando a eficiência, afirma a Xinhua.

Como tudo o que está a começar, também esta tecnologia tem bastantes limitações, por exemplo a quantidade de expressões faciais é bastante limitada e a voz é claramente artificial, como se pode ver pelos vídeos. Claro que, com o avanço da tecnologia de machine learning, a médio prazo não se vai conseguir distinguir os pivot com IA dos reais.

PCGuia
Recomendadas

CTT respondem à Anacom rejeitando que tenham prestado “informação enganosa” sobre a evolução das reclamações

Os CTT e a Anacom estão em guerra de comunicados. Em resposta à resposta da Anacom, os CTT divulgaram hoje um comunicado onde reafirmam que a variação do total de reclamações e pedidos de informação tal como referido no comunicado do passado dia 13, caíram 7%, correspondendo a um aumento de 9% das reclamações em sentido estrito. “As solicitações dos clientes dos CTT compreendem pedidos de informação e reclamações em sentido estrito”, diz a empresa.

Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

O regulador acusa a empresa de ter divulgado informação enganosa ao ter dito que as queixas baixaram 7%.

BCE exige à CGD para 2019 o mesmo rácio de capital que tinha exigido no ano passado

“O requisito de Pilar 2 para a CGD em 2019 é de 2,25%, o que representa uma manutenção face a 2018”, diz a Caixa. Recorde-se que os requisitos de Pilar 2, são os específicos das instituições e confidenciais. “Considerando os rácios da CGD em 31 de dezembro de 2018, são já cumpridos, com uma significativa margem, todos os novos rácios mínimos exigidos em matéria de CET1 (Common Equity Tier 1), Tier 1 e Rácio Total”, diz a CGD.
Comentários