Primeiros migrantes da América Central já chegaram à fronteira com os EUA

Cerca de 1.500 migrantes chegaram à fronteira dos EUA. Os migrantes, provenientes de países da América Central como Honduras, El Salvador ou Guatemala, juntam-se às outras 800 pessoas que chegaram à cidade mexicana, integradas em pequenos grupos.

AFP / Guillermo Arias

Mais de 1.500 migrantes da caravana proveniente de países da América Central chegaram à cidade mexicana de Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos, segundo um jornalista da agência France Presse (AFP) destacado no local.

A agência francesa avançou que 22 autocarros com migrantes chegaram na quinta-feira de manhã (hora local) a Tijuana, cidade localizada no Estado mexicano da Baixa Califórnia. Estes migrantes, provenientes de países da América Central como Honduras, El Salvador ou Guatemala, juntam-se às outras cerca de 800 pessoas que chegaram à cidade mexicana, integradas em pequenos grupos, desde domingo passado.

“Sinto-me melhor, cansada, mas melhor. Passou um mês desde que comecei este percurso com as minhas filhas de 7, 11, 13 e 15 anos”, afirmou Miriam, uma mãe de 32 anos natural das Honduras, quando descia de um dos vários autocarros que deixavam os migrantes junto a uma portagem perto de Tijuana.

À cidade fronteiriça mexicana devem chegar ainda esta semana mais autocarros com mais de 3.000 mil migrantes a bordo, segundo as agências internacionais. Todas estas pessoas integram a caravana apelidada a nível internacional como a “Marcha dos Migrantes”.

Fugir da miséria, da violência de grupos criminosos organizados e alcançar o “sonho americano” são as principais motivações destas pessoas. Esta movimentação em massa de migrantes começou nas Honduras, mas depois alastrou-se a outros países da região. Muitos hondurenhos partiram a pé da cidade San Pedro Sula (a cerca de 180 quilómetros a norte da capital das Honduras, Tegucigalpa) no dia 13 de outubro, aquela que foi a primeira etapa desta caravana.

Estes migrantes estão decididos em entrar nos Estados Unidos, apesar das ameaças do Presidente norte-americano, Donald Trump, que prometeu que ia impedir a entrada destas pessoas no território norte-americano e destacou cerca de 6 mil militares para a fronteira do país com permissão para abrir fogo sobre qualquer ameaça.

Ler mais
Relacionadas

Militares na fronteira e campos de concentração. Quais são as políticas de Trump anti-imigração?

Centenas de civis armados juntam-se aos 15 mil militares destacados na fronteira com o México. Juntos querem travar a entrada de uma caravana de 7 mil imigrantes da América-Central a mandado de Trump. Conheça aqui as medidas anti-imigração propostas pelo presidente da ”terra dos livres”.

“Disse aos nossos militares: considerem que as pedras são espingardas”. Trump ameaça imigrantes da América Central

A permissão para usar armas de fogo contra imigrantes foi dada aos 15 mil militares norte-americanos destacados para a fronteira com o México.

Trump ameaça caravana de imigrantes com fogo real

Os militares dos Estados Unidos têm ordem para disparar sobre os imigrantes que, em caravana, tentam entrar no país. A poucos dias das eleições intercalares a Casa Branca endurece o discurso.
Recomendadas

Polémica em França: Escolas vão substituir “pai” e “mãe” por “responsável 1” e “responsável 2”

Os defensores da mudança dizem que vai impedir a discriminação contra pais do mesmo sexo, mas os críticos argumentam que esta nova fórmula “desumaniza” a paternidade.

Duro golpe para a indústria britânica: Honda planeia fechar fábrica no Reino Unido

Construtora nipónica parece querer furtar-se às consequências do Brexit e concentra produção no país de origem, apesar de oficialmente não ser essa a explicação. É mais uma má notícia para a indústria britânica.

‘Xuexi Qiangguo’: app da Alibaba com 44 milhões de downloads gera suspeitas na China

Uma app que está a ser um enorme sucesso terá sido criada por um departamento da empresa que é quase desconhecido. A aplicação serve propósitos de propaganda do governo liderado por Xi Jinping.
Comentários