Primeiros migrantes da América Central já chegaram à fronteira com os EUA

Cerca de 1.500 migrantes chegaram à fronteira dos EUA. Os migrantes, provenientes de países da América Central como Honduras, El Salvador ou Guatemala, juntam-se às outras 800 pessoas que chegaram à cidade mexicana, integradas em pequenos grupos.

AFP / Guillermo Arias

Mais de 1.500 migrantes da caravana proveniente de países da América Central chegaram à cidade mexicana de Tijuana, na fronteira com os Estados Unidos, segundo um jornalista da agência France Presse (AFP) destacado no local.

A agência francesa avançou que 22 autocarros com migrantes chegaram na quinta-feira de manhã (hora local) a Tijuana, cidade localizada no Estado mexicano da Baixa Califórnia. Estes migrantes, provenientes de países da América Central como Honduras, El Salvador ou Guatemala, juntam-se às outras cerca de 800 pessoas que chegaram à cidade mexicana, integradas em pequenos grupos, desde domingo passado.

“Sinto-me melhor, cansada, mas melhor. Passou um mês desde que comecei este percurso com as minhas filhas de 7, 11, 13 e 15 anos”, afirmou Miriam, uma mãe de 32 anos natural das Honduras, quando descia de um dos vários autocarros que deixavam os migrantes junto a uma portagem perto de Tijuana.

À cidade fronteiriça mexicana devem chegar ainda esta semana mais autocarros com mais de 3.000 mil migrantes a bordo, segundo as agências internacionais. Todas estas pessoas integram a caravana apelidada a nível internacional como a “Marcha dos Migrantes”.

Fugir da miséria, da violência de grupos criminosos organizados e alcançar o “sonho americano” são as principais motivações destas pessoas. Esta movimentação em massa de migrantes começou nas Honduras, mas depois alastrou-se a outros países da região. Muitos hondurenhos partiram a pé da cidade San Pedro Sula (a cerca de 180 quilómetros a norte da capital das Honduras, Tegucigalpa) no dia 13 de outubro, aquela que foi a primeira etapa desta caravana.

Estes migrantes estão decididos em entrar nos Estados Unidos, apesar das ameaças do Presidente norte-americano, Donald Trump, que prometeu que ia impedir a entrada destas pessoas no território norte-americano e destacou cerca de 6 mil militares para a fronteira do país com permissão para abrir fogo sobre qualquer ameaça.

Ler mais
Relacionadas

Militares na fronteira e campos de concentração. Quais são as políticas de Trump anti-imigração?

Centenas de civis armados juntam-se aos 15 mil militares destacados na fronteira com o México. Juntos querem travar a entrada de uma caravana de 7 mil imigrantes da América-Central a mandado de Trump. Conheça aqui as medidas anti-imigração propostas pelo presidente da ”terra dos livres”.

“Disse aos nossos militares: considerem que as pedras são espingardas”. Trump ameaça imigrantes da América Central

A permissão para usar armas de fogo contra imigrantes foi dada aos 15 mil militares norte-americanos destacados para a fronteira com o México.

Trump ameaça caravana de imigrantes com fogo real

Os militares dos Estados Unidos têm ordem para disparar sobre os imigrantes que, em caravana, tentam entrar no país. A poucos dias das eleições intercalares a Casa Branca endurece o discurso.
Recomendadas

Transportar órgãos com um drone? Brevemente pode ser possível

Dos testes já realizados esta alternativa acabou por ter resultados positivos. Joseph Scalea lidera esta investigação referindo contudo que são necessários realizar mais testes no sentido de provar a viabilidade de transportes órgãos através de um drone.

Dirigente da CPLP quer parceria com União Europeia e Banco Africano de Desenvolvimento

Os jovens e a empregabilidade será uma das áreas a que o secretário geral executivo da CPLP também vai prestar atenção.

Venezuela: Último jornal impresso crítico do governo deixa formato papel

O secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Imprensa diz que este é um produto do desrespeito pelo pensamento crítico e diferente.
Comentários