Privatização da TACV ainda este ano, anuncia Ulisses Correia e Silva

O primeiro-ministro, Ulisses Correia e Siva, garantiu esta quinta-feira, na Cidade da Praia, que o processo de privatização da TACV-Cabo Verde Airlines “ficará concluído” até ao final do ano e com “vantagens enormes” para o país.

Ler mais

“A alternativa seria liquidar. Não liquidámos, colocámos a TACV a voar, estamos a operacionalizar o conceito de hub [plataforma aérea] e não tenho dúvidas de que vai ser um sucesso”, declarou o chefe do Governo durante uma conversa aberta com jornalistas e representantes da sociedade civil quinta-feira, 23, para assinalar os primeiros dois anos da sua governação.

Questionado sobre várias queixas dos trabalhadores e dos sindicatos que os representam em relação à forma como está a ser conduzido o processo TACV, Correia e Silva reconheceu a existência de “dificuldades”, e afirmou que hoje a transportadora podia estar “morta e enterrada”, mandando “todo o mundo para o desemprego” e o país ficar sem a sua companhia aérea.

“É este o ponto de partida em 2016, quando assumimos o Governo”, indicou, acrescentando que hoje há “ganhos” e a Cabo Verde Airlines está a voar.

Relativamente ao transporte de doentes de uma ilha para outra, reiterou que o seu executivo está a trabalhar no sentido de resolver este problema.

“Até ao final deste ano, teremos, seguramente, um aparelho da Guarda Costeira, que servirá não só para fazer a vigilância marítima e costeira que Cabo Verde precisa, como também para situações de emergência médica”, garantiu.

A seguir reconheceu que os aviões comerciais não estão vocacionados para prestar serviço no transporte dos doentes, uma vez que, aludiu, seriam obrigados a “desviarem-se do seu roteiro normal, da sua actividade comercial para responderem a uma necessidade de evacuação”.

Enquanto não se resolver o problema com o avião da Guarda Costeira, disse o primeiro-ministro, está a ser “contratualizado” um serviço com a nova transportadora aérea nacional (Binter-Cabo Verde) para ir suprimindo as necessidades pontuais que vão aparecendo.

“Reconheço que este problema (de transporte de doentes) é complexo, mas é uma situação que se arrasta há vários anos e que agora queremos dar uma resposta estruturante”, sublinhou o primeiro-ministro.

Instado se há transparência no processo de negociações com a Binter e a Icelandair, empresa que está a gerir a TACV, respondeu que sim e afiançou que quando tudo estiver concluído, a “sociedade saberá”.

“As condições negociais não podem ser feitas na praça pública” alegou, adiantando que, neste momento, o Governo tem um contrato de gestão assinado com a Icelandair e que o processo de privatização da TACV será feito de acordo com a lei.

Relativamente à Binter, assegurou que não há nenhuma exclusividade no transporte inter-ilhas.

“Não há nenhuma medida legislativa do Governo no sentido de fechar o mercado”, precisou o chefe do Governo, que considerou que qualquer companhia aérea que queira operar no mercado doméstico pode fazê-lo, “desde que cumpra as condições de regulação” que são estabelecidas pela Agência de Avião Civil.

Segundo ele, o Estado tem a intenção de entrar no capital social da Binter, ainda que seja transitoriamente, porque não é intenção deste dispor de “participações em empresas”.

Sobre a presença de Cabo Verde na Comunidade Económica para o Desenvolvimento da África Ocidental (CEDEAO) explicou que o comprometimento do país com a comunidade é “muito claro”.

“Pela primeira vez Cabo Verde tem um ministro com a responsabilidades exclusivas sobre a integração regional”, declarou, adiantando que o arquipélago vai abrir uma embaixada em Abuja, capital da Nigéria, e uma representação junto da União Africana, em Addis-Abeba (Etiópia).

“Mais do que discursos africanistas, temos estado a mostrar que, efectivamente, queremos estar na CEDEAO para defendermos os interesses de Cabo Verde dentro da comunidade do espaço da África Ocidental”, conclui.

 

Relacionadas

Sitthur considera “extremamente negativas” as medidas adoptadas pelo Governo com a reestruturação da TACV

O Sitthur considerou hoje que as medidas adoptadas para a reestruturação da TACV têm deixado consequências “extremamente violentas e dolorosas” para os trabalhadores, aumento considerável no preço dos bilhetes, enquanto a população fica “desamparada” em caso de emergência.

“Não fosse a seca, Cabo Verde teria crescido 7% no ano passado”

Curta entrevista exclusiva (via e-mail) com o Primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, sobre a economia e a conjuntura do país. Oito perguntas e oito respostas sobre TACV, emprego, crescimento económico e a suposta descoordenação com o vice-primeiro ministro, Olavo Correia. Saiba mais.

Presidente da CPI que investigou a TACV denuncia “interferências dos Governos” e “gestão ruinosa” na companhia

O deputado Emanuel Barbosa disse que os Governos interferiram quase sempre na TACV e que “houve gestão ruinosa” na companhia. Barbosa, que presidiu a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a gestão da TACV entregou ontem ao Parlamento o relatório do inquérito, revelando que houve consenso dos membros da CPI em apenas metade das conclusões. 

TACV renova certificado de segurança operacional

A TACV renovou o certificado de Auditoria de Segurança Operacional da IATA (IOSA), documento que garante o alto padrão de segurança operacional e de reconhecimento internacional.. 

Ex-PCA. “A minha dúvida é se há algo para ser privatizado na TACV”

Antigo presidente do Conselho de Administração da TACV, António Neves, diz não confiar nas pessoas que foram chamadas para formatar o novo negócio da companhia aérea cabo-verdiana, referindo-se a “um conjunto de pessoas que faz opinião” a nível do Governo sobre a situação da TACV.

Eduíno Moniz: “A TACV foi entregue a uma gestão que preocupa a nossa independência”

Ex-administrador e comandante de Boeing disse hoje, 13, em sede da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a TACV, que os sucessivos governos são responsáveis pela situação a que chegou a companhia aérea de bandeira. E perspectiva um mau augúrio para a Icelandair, grupo islandês que gere a transportadora aérea cabo-verdiana desde Outubro passado.
Recomendadas

Cabo Verde está entre os três únicos países de África com melhoria na governança

O Relatório do Banco Mundial aponta que Cabo Verde está entre os três únicos países de África com melhoria na governança.

Governo confirma Icelandair como parceira na privatização da Cabo Verde Airlines

As duas partes vão agora iniciar negociações para a aquisição de até 51 por cento do capital da companhia aérea cabo-verdiana.

Governo de São Vicente quer empresas certificadas na norma de gestão ambiental

As informações foram avançadas pelo presidente do IGQPI, Abraão Lopes, que ministra a formação em São Vicente, iniciada hoje, em parceria com a Direcção Regional de Indústria, Comércio e Energia Norte (DRICEN).
Comentários