Probe.ly levanta mais de meio milhão de euros em nova ronda de financiamento

A Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança, a Bright Pixel e a Caixa Capital. O objetivo da startup é desenvolver o produto.

A Probe.ly levantou mais de meio milhão de euros numa nova ronda de financiamento. Lançada em 2017, na Bright Pixel, atua como uma sonda sobre a aplicação web, detetando vulnerabilidades ou problemas de segurança, que depois de corrigidas poderão evitar acessos não autorizados que tenham a intenção de modificar, destruir ou revelar informação sensível.

O potencial da sua solução, desenvolvida a pensar nas pequenas e médias empresas, permitiu levantar até ao momento 1,250 milhão de euros.

Esta startup, que desenvolve um produto de segurança informática para aplicações web, fechou agora uma ronda ‘seed’ no valor de 550 mil euros com o objetivo de expandir a base de clientes e desenvolver uma nova versão do produto. Com esta ronda, Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança.

Com presença em nove países e cerca de 20 clientes, a equipa pretende agora mudar o foco. “Durante este primeiro ano estivemos a desenvolver e a validar o nosso produto junto do mercado e agora pretendemos investir mais no desenvolvimento do negócio”, explica Nuno Loureiro, fundador e CEO da Probe.ly. Para isso, irá duplicar a equipa até meados de 2019.

Relacionadas

Probe.ly prepara uma nova ronda de financiamento de 525 mil euros

Nuno Loureiro, CEO e co-fundador da ‘startup’ de ‘software’ de segurança aplicacional, explica ao Jornal Económico que vai investir na parte comercial da empresa.
Recomendadas

Vem aí a nova sociedade que vai controlar a “TSF”, o “DN” e o “Jornal de Notícias”

Os credores da Controlinveste, Millennium bcp e Novo Banco, acordaram o lançamento de uma nova sociedade que reúne as participações detidas pelas empresas de Joaquim Oliveira na Global Media, cuja posterior venda permitirá que os bancos presididos por Miguel Maya e António Ramalho possam recuperar parte dos 548 milhões de euros perdidos na Controlinveste

Governos ignoraram alerta do ROC sobre risco de “fraudes” na Caixa

BdP, banco e tutela não deram a devida atenção a alerta, em 2007, para o risco de“fraudes e erros” sem serem detectados devido a “limitações” no controlo interno em áreas como a concessão de crédito.

Dono da Toys “R” Us Iberia quer entrar na bolsa de Paris

A portuguesa Green Swan, do investidor Paulo Andrez, é um dos principais ‘players’ do mercado europeu de brinquedos e, em 2018, faturou uma média de um milhão de euros por dia. Se atingir os 500 milhões anuais tenciona entrar na bolsa de Paris.
Comentários