Probe.ly levanta mais de meio milhão de euros em nova ronda de financiamento

A Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança, a Bright Pixel e a Caixa Capital. O objetivo da startup é desenvolver o produto.

A Probe.ly levantou mais de meio milhão de euros numa nova ronda de financiamento. Lançada em 2017, na Bright Pixel, atua como uma sonda sobre a aplicação web, detetando vulnerabilidades ou problemas de segurança, que depois de corrigidas poderão evitar acessos não autorizados que tenham a intenção de modificar, destruir ou revelar informação sensível.

O potencial da sua solução, desenvolvida a pensar nas pequenas e médias empresas, permitiu levantar até ao momento 1,250 milhão de euros.

Esta startup, que desenvolve um produto de segurança informática para aplicações web, fechou agora uma ronda ‘seed’ no valor de 550 mil euros com o objetivo de expandir a base de clientes e desenvolver uma nova versão do produto. Com esta ronda, Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança.

Com presença em nove países e cerca de 20 clientes, a equipa pretende agora mudar o foco. “Durante este primeiro ano estivemos a desenvolver e a validar o nosso produto junto do mercado e agora pretendemos investir mais no desenvolvimento do negócio”, explica Nuno Loureiro, fundador e CEO da Probe.ly. Para isso, irá duplicar a equipa até meados de 2019.

Relacionadas

Probe.ly prepara uma nova ronda de financiamento de 525 mil euros

Nuno Loureiro, CEO e co-fundador da ‘startup’ de ‘software’ de segurança aplicacional, explica ao Jornal Económico que vai investir na parte comercial da empresa.
Recomendadas

Google suspende negócios com a Huawei após lista negra de Trump

A Huawei vai perder imediatamente acesso a atualizações do sistema operativo Android, e a próxima versão dos seus smartphones fora da China vai também perder acesso a aplicações e servios, incluindo o Google Play Store e o Gmail app.

Empresas do vinho do Porto satisfeitas com devolução de diploma sobre Casa do Douro

Criada em 1932 para defender os viticultores e a viticultura duriense na mais antiga região regulamentada e demarcada do mundo, a Casa do Douro foi perdendo atribuições até que a sua dimensão pública foi extinta em dezembro de 2014, no Governo PSD/CDS-PP, e a sua gestão entregue a uma organização privada, a Federação Renovação do Douro.

Cellnex e DST/Cube avançam para compra da fibra óptica da MEO

Há três candidatos que se preparam para avançar com propostas vinculativas para comprar a rede de fibra ótica da Meo. Entre eles a espanhola Cellnex e a DST em parceria com o Fundo Cube.
Comentários