Probe.ly levanta mais de meio milhão de euros em nova ronda de financiamento

A Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança, a Bright Pixel e a Caixa Capital. O objetivo da startup é desenvolver o produto.

A Probe.ly levantou mais de meio milhão de euros numa nova ronda de financiamento. Lançada em 2017, na Bright Pixel, atua como uma sonda sobre a aplicação web, detetando vulnerabilidades ou problemas de segurança, que depois de corrigidas poderão evitar acessos não autorizados que tenham a intenção de modificar, destruir ou revelar informação sensível.

O potencial da sua solução, desenvolvida a pensar nas pequenas e médias empresas, permitiu levantar até ao momento 1,250 milhão de euros.

Esta startup, que desenvolve um produto de segurança informática para aplicações web, fechou agora uma ronda ‘seed’ no valor de 550 mil euros com o objetivo de expandir a base de clientes e desenvolver uma nova versão do produto. Com esta ronda, Busy Angels, Novabase e Shilling Capital juntam-se aos investidores da empresa de cibersegurança.

Com presença em nove países e cerca de 20 clientes, a equipa pretende agora mudar o foco. “Durante este primeiro ano estivemos a desenvolver e a validar o nosso produto junto do mercado e agora pretendemos investir mais no desenvolvimento do negócio”, explica Nuno Loureiro, fundador e CEO da Probe.ly. Para isso, irá duplicar a equipa até meados de 2019.

Relacionadas

Probe.ly prepara uma nova ronda de financiamento de 525 mil euros

Nuno Loureiro, CEO e co-fundador da ‘startup’ de ‘software’ de segurança aplicacional, explica ao Jornal Económico que vai investir na parte comercial da empresa.
Recomendadas

BES. Solução para sucursais exteriores pode abranger cerca de 300 pessoas

Em declarações à Lusa, António Borges, presidente da direção da entidade, congratulou-se por, “finalmente, o Governo ter enquadrado os restantes lesados numa solução”, depois de um comunicado do gabinete do primeiro-ministro ter revelado que o Governo propôs às associações de lesados das sucursais exteriores do BES uma solução semelhante à do Banif, que prevê a delimitação de lesados não qualificados com vista à criação de fundo de recuperação.

Programa de aceleração de ‘startups’ de restauração anuncia hoje os dois projetos vencedores

É a primeira edição do novo programa de aceleração da responsabilidade da Startup Lisboa, que contou com a participação de 22 concorrentes, no segmento ‘tech’ e não ‘tech’.

BPI vai sair de bolsa a 1,47 euros, dois cêntimos acima da proposta do CaixaBank

CaixaBank vai pagar 1,47 euros por cada ação aos acionistas do BPI. Nos próximos três meses haverá uma ordem permanente de compra, permitindo aos acionistas do BPI venderem as suas ações ao grupo bancário espanhol.
Comentários