Procurador-geral norte-americano vai ao Senado responder ao ex-diretor do FBI

Jeff Sessions quer responder ao testemunho de James Comey sobre a interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

Kevin Lamarque/REUTERS
Ler mais

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, vai comparecer perante o Comité de Inteligência do Senado, a 13 de junho, para responder ao testemunho do ex-diretor do FBI James Comey sobre a interferência russa nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016.

Numa carta citada por diversas agências de notícias, Jeff Sessions diz que, depois do testemunho de James Comey perante o Comité de Inteligência do Senado, “é importante que tenha uma oportunidade de abordar estes assuntos no foro apropriado”, que é será o próprio Comité de Inteligência do Senado.

Em março, Sessions exclui-se de participar em qualquer inquérito sobre as alegadas interferências russas nas eleições, mas reafirmou não ter feito algo inapropriado ao não revelar que manteve um encontro com o embaixador russo nos Estados Unidos.

No seu testemunho perante o Senado, a 8 de junho, o ex-diretor do FBI acusou o Presidente Donald Trump de o despedir para tentar minar a investigação sobre um possível conluio entre membros da campanha eleitoral de Trump e alegados esforços de pessoas da Rússia para interferirem nas eleições presidenciais.

O testemunho de Comey gerou novas questões sobre a relação do agora procurador-geral com funcionários do Estado russo ou com pessoas com ligações ao Presidente da Rússia, Vladimir Putin.

Ainda não se sabe se a audição de Sessions será feita à porta fechada.

Recomendadas

Salzburgo: mais uma cimeira sem qualquer sucesso

Questão da imigração é cada vez mais fraturante nas cimeiras que juntam os chefes de Estado e governo da União Europeia. Mais uma vez, não foi possível qualquer acordo.

União Europeia quer organizar cimeira com a Liga Árabe

Questão da imigração estará no centro do eventual encontro entre as duas organizações. Passos nesse sentido irão ser dados no encontro informal de Salzburgo – que, ontem, não conseguiu qualquer desenvolvimento no debate sobre a matéria.

Espanha: PP exige ao governo socialista marcação de eleições

O país está envolvido numa guerra de currículos que está a minar os entendimentos políticos entre os partidos. A crise provocada pela moção de censura do PSOE parece a postos para continuar.
Comentários