Procurador saudita pede pena de morte aos suspeitos do caso Khashoggi

A pena foi pedida para cinco dos 11 suspeitos de estarem envolvidos na morte do jornalista. O procurador saudita considera que foram estes que ordenaram que Khashoggi fosse drogado e desmembrado.

Omar Shagaleh/Anadolu

O procurador do Ministério Público da Arábia Saudita, Saud al-Mojeb, pediu pena de morte para cinco dos 11 suspeitos envolvidos na morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi, correspondente do jornal norte-americano ”The Washington Post”. O anúncio foi feito esta quinta-feira, 15 de novembro pelo próprio, numa conferência de imprensa em Riade, noticiou a ”Aljazeera”.

A pena de morte é pedida aos cinco homens suspeitos de terem ordenado que o jornalista fosse drogado e desmembrado depois de uma conversa que não terá corrido bem no interior do consulado na Turquia. O procurador disse ainda que as investigações revelaram que “o príncipe saudita não tinha conhecimento” da ordem para matar.

Arábia Saudita diz que jornalista Jamal Khashoggi foi assassinado

Jamal Khashoggi entrou no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro para pedir uns documentos que lhe permitiriam casar com uma cidadã turca. Este grupo já estaria à sua espera e acabaram por matá-lo com uma injeção letal, segundo o procurador. Uma morte que já foi apresentada como premeditada pela Arábia Saudita, depois de inicialmente terem indicado que teria sido acidental.

Depois de desmembrado, o corpo foi retirado do consulado e levado para a casa do cônsul onde terá sido dissolvido com ácido e com outro agentes químicos. Na sequência deste caso, o reino saudita diz já ter detido 18 pessoas e dispensado cinco funcionários do governo, refere a Al Jazeera.

“Estrangulado e desmembrado”. Turquia revela detalhes macabros referentes à morte de Khashoggi

Ler mais
Relacionadas

“Estrangulado e desmembrado”. Turquia revela detalhes macabros referentes à morte de Khashoggi

Esta é a primeira confirmação pública feita por um responsável turco de que Khashoggi foi estrangulado e desmembrado depois de ter entrado no consulado saudita a 2 de outubro para obter documentos de que precisava para casar com a sua noiva, uma cidadã turca.

Príncipe da Arábia Saudita diz que Jamal Khashoggi ”era um islamita perigoso”

O príncipe herdeiro da Arábia Saudita terá dito, num telefonema com Jared Kushner, que o jornalista morto em Istambul era um islamista perigoso.

Khashoggi: Ministro diz que suspeitos do assassinato vão ser processados na Arábia Saudita

O ministro dos Negócios Estrangeiros falando sobre a hipótese de extradição dos suspeitos afirmou que os “cidadãos são sauditas, foram detidos na Arábia Saudita, a investigação está a ser conduzida na Arábia Saudita, e que os suspeitos serão processados na Arábia Saudita”.
Recomendadas

António Costa diz que só “iluminação divina” justificaria renegociação do Brexit

“Renegociar o quê? Tudo aquilo que tenho visto como críticas, aliás contraditórias, ao tratado, são pontos que não é possível mais renegociar”, disse o primeiro-ministro.

Trump sobre a detenção de Michael Cohen: “Ele era advogado, é suposto saber a lei”

Trump desmente as declarações de Cohen e diz que o ex advogado assumiu culpa para “envergonhar o presidente e obter uma sentença de prisão muito reduzida”.

Angola produziu 1,521 milhões de barris de petróleo por dia em novembro

Angola enfrenta desde final de 2014 uma profunda crise económica, financeira e cambial decorrente da forte quebra nas receitas petrolíferas.
Comentários