Produtora de vinhos do Douro Lavradores de Feitoria aposta nos Açores

“A forte adesão ao turismo nos Açores é visto pela Lavradores de Feitoria como uma oportunidade de negócio, ainda mais quando este produtor tem ‘nas mãos’ um portefólio que permite chegar a públicos e a momentos de consumo diferenciados”, explica a produtora de vinhos do Douro.

A produtora de vinhos do Douro Lavradores de Feitoria vai investir na distribuição nos Açores.

Segundo um comunicado, a Lavradores de Feitoria enceta no início de 2018 uma parceria com a ReprAçores.

A ReprAçores, “é um agente local da Vinicom, empresa a quem o produtor duriense confia a distribuição dos seus vinhos das marcas ‘Lavradores de Feitoria’, ‘Três Bagos’, ‘Meruge’ e ‘Quinta da Costa das Aguaneiras’, que vão agora chegar ao palato dos açorianos e, também, a quem escolhe este arquipélago português para uma estada relaxada”, acrescenta o referido comunicado.

O mesmo documento acrescenta que “a forte adesão ao turismo nos Açores é visto pela Lavradores de Feitoria como uma oportunidade de negócio, ainda mais quando este produtor tem “nas mãos” um portefólio que permite chegar a públicos e a momentos de consumo diferenciados”.

A Lavradores de Feitoria destaca os vinhos branco, o rosé e o tinto da marca da casa como “vinhos jovens e frescos, ideais para aperitivo ou para acompanhar uma refeição mais leve”.

Por seu turno, a marca ‘Três Bagos’, é sublinhada pela polivalência das suas referências – branco, Sauvignon Blanc, Reserva tinto, Grande Escolha tinto, Grande Escolha Estágio Prolongado tinto e Colheita Tardia –, e considerada a ‘todo-o-terreno’ do portefólio da Lavradores de Feitoria.

“Os ‘Meruge’, branco e tinto, estarão à altura de um ‘Cozido da Lagoa das Furnas’, ao passo que a ‘Quinta da Costa das Aguaneiras’ combinará na perfeição com ‘Alcatra’, prato típico da ilha Terceira”, defende o comunicado da produtora de vinhos duriense.

A Lavradores de Feitoria é um projeto criado em Setembro de 2000, que resultou da união de quinze lavradores, proprietários de dezoito quintas distribuídas por alguns dos melhores ‘terroirs’ do Douro, repartidas pelas três sub-regiões: Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior.

“Pela primeira vez na região, um grupo de convictos durienses associou saberes e experiências, inovação e tradição, num esforço conjunto e solidário que marcou uma nova época para o Douro. Partilha e associativismo, concertados de uma forma moderna, razoável e inteligente, são os valores subjacentes à Lavradores de Feitoria”, destaca o comunicado.

Actualmente, são 48 os accionistas da Lavradores de Feitoria, dos quais 15 são lavradores proprietários de 18 quintas.

Acresce a Quinta do Medronheiro, comprada em 2011 com capital da empresa.

No total, os produtores associados da Lavradores de Feitoria têm ao seu dispor uvas provenientes de mais de 600 hectares de vinha.

 

Ler mais
Recomendadas

Produtores nacionais de frutas e legumes querem exportar 500 milhões para Espanha até 2019

Em 2017, as vendas desta fileira ao mercado espanhol totalizaram 450 milhões de euros, mais 13,6% do que no ano anterior (396 milhões). Quatro dezenas empresas, associações e parceiros vão mostrar em Madrid a 70 mil visitantes, provenientes de 120 países, o que de melhor se produz em Portugal.

Danone desacelera no terceiro trimestre mas sobe vendas para 6,2 mil milhões de euros

A Danone justifica o menor crescimento de vendas com a diminuição da procura de produtos alimentares para bebés na China e, ainda, pelo boicote levado a cabo pelos consumidores em Marrocos.

Grupo Soja de Portugal quer atingir 40% de exportações em 2022

A aposta nas exportações resultou em grande parte da crise que se abateu sobre o país, mas, passado o pior momento, é uma estratégia que o grupo tem todo o interesse em repetir. O que não é para repetir é o mercado de capitais, que a Soja abandonou em 2000.
Comentários