Professores pedem reunião extra ao Governo por causa do relatório da OCDE

A Fenprof solicitou ainda explicações ao diretor-geral para a Educação e Competências da OCDE, Andreas Schleicher sobre o “Education at a Glance 2018”.

João Relvas / Lusa

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) pediu uma reunião suplementar ao Governo e pediu explicações à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) por causa do último relatório sobre educação. A federação sindical refuta os dados divulgados esta semana e pretende receber explicações do diretor-geral para a Educação e Competências da OCDE, Andreas Schleicher.

A análise da OCDE concluiu, entre outros aspetos, que os docentes e diretores das escolas em Portugal ganham em média mais do que outros trabalhadores com formação superior, uma tendência que contrario a maioria dos países membros.

“Os dados não só falsearam estas duas realidades da atividade docente em Portugal (salário e horário) como serviram para, junto da opinião pública, denegrir a imagem dos professores, através da divulgação de informações que, por não serem verdadeiras, os docentes de Portugal pretendem ver corrigidas, reiterando a Fenprof o pedido de informação sobre como recolheu a OCDE os dados que divulgou”, refere a missiva enviada à OCDE.

O “Education at a Glance 2018” demonstrou ainda que as instituições de ensino portuguesas despendem menos dinheiro por aluno anualmente do que a média da OCDE –  i.e. gastam menos de 10 mil dólares (aproximadamente 8.600 euros) por ano.

Despesa pública: Portugal é o país da OCDE que menos gasta com o ensino superior

Ler mais
Recomendadas

Associação sindical dos juízes estima 90% de adesão à greve

“Estimamos que o número total, quando se fizer o apuramento final, rondará os 2.000, que corresponde a cerca de 90% de todos os juízes”, afirmou.

Bruxelas atribui prémio a projeto português de descarbonização

O projeto, ‘Living Lab Matosinhos’, que decorrerá por mais dois anos, pressupõe um investimento de um milhão de euros e envolve 18 parceiros, desde empresas e centros de conhecimento a operadores de mobilidade e associações locais.

Trabalhadores da CP, EMEF e IP fazem greve a 7 de dezembro

“Decidimos fazer esta greve no mesmo dia nas três empresas porque o Governo continua a não dar resposta a uma reivindicação comum que é a de negociar melhores condições para estes trabalhadores”, disse à agência Lusa José Manuel Oliveira, coordenador da Federação dos Sindicatos dos Transportes e comunicações (FECTRANS).
Comentários