Professores pesam 25% nos gastos com progressões na carreira

O custo orçamental do descongelamento das carreiras dos professores é de 191 milhões de euros – 165 milhões de euros para progressão na carreira e 26 milhões de euros para vinculação –, o que corresponde a 25% dos encargos do Estado com progressões na Função Pública.

O custo orçamental do descongelamento das carreiras dos professores é de 191 milhões de euros – 165 milhões de euros para progressão na carreira e 26 milhões de euros para vinculação –, o que corresponde a 25% dos encargos do Estado com progressões na Função Pública.

De acordo com o “Jornal de Negócios” desta terça-feira, que teve acesso a novos dados do Ministério das Finanças, o aumento salarial médio para estes trabalhadores é de 3,6%, superior ao da generalidade dos funcionários da administração pública (3,1%). Em cada 100 euros gastos pelo Estado com progressões na carreira, 25 euros vão para os docentes.

Na semana passada, o Ministério das Finanças reforçou a intenção de terminar o processo de descongelamento das carreiras dos trabalhadores da Administração Pública (AP) e anunciou que, no próximo ano, os funcionários do Estado deverão ter um aumento de 3,1% nos ganhos (salário, subsídios, etc.).

Em comunicado, o gabinete de Mário Centeno referiu que o encontro com as organizações sindicais serviu para negociar o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e apresentar as previsões sobre os principais impactos orçamentais.

Segundo o Executivo, as medidas com impacto nas despesas com pessoal deverão resultar numa subida das despesas com pessoal de cerca de 758 milhões de euros, o que representa um aumento de 3,7% comparativamente a 2018 [609 milhões de euros].

Recomendadas

VAR provoca perdas de milhares de euros

Portugal está a adaptar-se ao VAR e se dentro do campo ainda reina a polémica, fora das quatro linhas, entre quem aposta, o cenário não muda. A ‘escaldante’ final four da Taça da Liga resultou em perdas de milhares de euros.

União Europeia facilita compras digitais mas Portugal falha prazo

“A Comissão está a acompanhar de perto a situação e em breve decidiremos as próximas medidas para garantir que todos os Estados-membros cumprem as suas obrigações”, diz Nathalie Vandystadt, porta-voz de Bruxelas.

Governo de Angola espera recessão de 1,7% em 2018

Ministro da Economia e Planeamento angolano referiu que depois de contrações de 2,6% e 0,1% em 2016 e 2017, respetivamente, a economia angolana deve ter aprofundado a queda no ano passado.
Comentários