Professores pesam 25% nos gastos com progressões na carreira

O custo orçamental do descongelamento das carreiras dos professores é de 191 milhões de euros – 165 milhões de euros para progressão na carreira e 26 milhões de euros para vinculação –, o que corresponde a 25% dos encargos do Estado com progressões na Função Pública.

O custo orçamental do descongelamento das carreiras dos professores é de 191 milhões de euros – 165 milhões de euros para progressão na carreira e 26 milhões de euros para vinculação –, o que corresponde a 25% dos encargos do Estado com progressões na Função Pública.

De acordo com o “Jornal de Negócios” desta terça-feira, que teve acesso a novos dados do Ministério das Finanças, o aumento salarial médio para estes trabalhadores é de 3,6%, superior ao da generalidade dos funcionários da administração pública (3,1%). Em cada 100 euros gastos pelo Estado com progressões na carreira, 25 euros vão para os docentes.

Na semana passada, o Ministério das Finanças reforçou a intenção de terminar o processo de descongelamento das carreiras dos trabalhadores da Administração Pública (AP) e anunciou que, no próximo ano, os funcionários do Estado deverão ter um aumento de 3,1% nos ganhos (salário, subsídios, etc.).

Em comunicado, o gabinete de Mário Centeno referiu que o encontro com as organizações sindicais serviu para negociar o Orçamento do Estado para 2019 (OE2019) e apresentar as previsões sobre os principais impactos orçamentais.

Segundo o Executivo, as medidas com impacto nas despesas com pessoal deverão resultar numa subida das despesas com pessoal de cerca de 758 milhões de euros, o que representa um aumento de 3,7% comparativamente a 2018 [609 milhões de euros].

Recomendadas

Associação Sindical de Juízes antevê “grande adesão” à greve na terça-feira

Manuel Soares reconheceu que o MJ apresentou uma proposta um dia antes da Assembleia-Geral da ASJP (em que a greve foi aprovada), mas que a proposta em causa “não é aceitável”.

OE com “número elevado” de cativações “acaba por ser uma mentira”, acusa Rui Rio

Líder social-democrata referiu ainda que a questão das cativações de despesa deve preocupar em particular bloquistas e comunistas.

BdP baptiza prémio para a melhor tese de mestrado de economia de “Prémio José da Silva Lopes”

Este ano, o Conselho de Administração do Banco de Portugal decidiu renomear este prémio, que passa a designar-se “Prémio José da Silva Lopes”, em homenagem ao antigo Governador do Banco de Portugal. A vencedora do Prémio José da Silva Lopes foi Joana Passinhas do ISEG.
Comentários