Professores voltam a não chegar a acordo com o Governo

“Vamos pedir uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Foto cedida

“O Governo não alterou nem uma vírgula à proposta de recuperar apenas dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço que esteve congelado”, disse Mário Nogueira da Fenprof que voltou a acusar o Governo de respeitar os professores e acrescentando que deste vez “desrespeitou também a Assembleia da República”.

Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), falava à saída da reunião convocada pelo Ministério da Educação.

“Acabámos de sair da reunião mais absurda que se pode imaginar”, adiantou o líder da estrutura sindical.

Dez sindicatos de professores estiveram hoje reunidos com a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão, e com a secretária de Estado da Administração e do Emprego Público, Fátima Fonseca, para, mais uma vez discutir a recuperação do tempo de serviço da carreira docente que esteve congelado.

Mas o Governo mantém a proposta de recuperar apenas dois anos, nove meses e 18 dias dos nove anos, quatro meses de dois dias reivindicados pelos sindicatos dos professores.

“O que é que vamos fazer? Querem guerra, guerra terão. Vamos pedir de imediato uma reunião aos grupos parlamentares para levar esta mensagem: o Governo hoje também desrespeitou a Assembleia da República. Vamos pedir também uma nova reunião ao senhor Presidente da República, e vamos reunir os dez sindicatos para definir o plano de lutas que vamos desenvolver durante 2019”, disse o sindicalista.

Ler mais
Recomendadas

Governo chama professores à mesa das negociações

Dia 25 de fevereiro é a data fixada pelo governo para voltar a negociar com os sindicatos. “Só espero que desta vez corresponda às expectativas dos professores e dos educadores”, afirmou Júlia Azevedo, presidente do Sindicato Independente dos Professores e Educadores, ao Jornal Económico.

Força Aérea tem dois novos helicópteros. Nenhum deles vai combater incêndios

Estas aeronaves “não fazem parte” do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), apesar de poderem atuar “numa situação de emergência”, dado que a sua “função primordial é servir nas múltiplas missões que a FAP tem”, afirmou João Gomes Cravinho.

Polémica em França: Escolas vão substituir “pai” e “mãe” por “responsável 1” e “responsável 2”

Os defensores da mudança dizem que vai impedir a discriminação contra pais do mesmo sexo, mas os críticos argumentam que esta nova fórmula “desumaniza” a paternidade.
Comentários