Programa de aceleração ‘PRIO Jump Start’ distingue três startups

‘Pavnext’, ‘Tram Grid’ e ‘Macco Robotics’ foram as empresas escolhidas entre 99 candidaturas de 20 países.

Ler mais

Já foram conhecidas as três startups vencedoras do programa de aceleração promovido pela PRIO (cadeia produtora de biocombustíveis) em parceria com a consultora de inovação ‘imatch‘. A ‘Pavnext’, ‘Tram Grid’ e ‘Macco Robotics’ foram as empresas escolhidas entre 99 candidaturas de 20 países.

Estas três startups foram selecionadas num restrito grupo de dez finalistas, após terem sido acompanhadas por mentores da PRIO desde o bootcamp dos dias 14 e 15 de junho até à final realizada na última sexta-feira, dia 6 de julho, onde apresentaram os seus projetos e propostas de sinergia com a PRIO, a toda a administração e responsáveis pelas várias áreas de negócio da PRIO.

Das três startups vencedoras, duas são portuguesas (‘Pavnext’ e ‘Tram Grid’) e uma espanhola (‘Macco Robotics’) e vão agora poder realizar um projeto piloto com a PRIO de valor base mínimo de 10 mil euros e apoio à implementação por parte de especialistas PRIO e da NOVA SBE.

A ‘Pavnext’ é uma empresa que apresenta uma solução inovadora inteligente que conjuga a segurança rodoviária e eficiência energética. Este pavimento possibilita a capacidade de captar energia cinética de carros e pessoas e transformá-la em energia que pode ser usada em todo o tipo de aplicações.

Já a ‘Tram Grid’ desenvolveu um carregador rápido de veículos elétricos, que utiliza a corrente disponível nas redes catenárias dos elétricos para alimentar o carregamento dos veículos.

Por último a ‘Macco Robotics’ procura desenvolver soluções de robótica avançada e especializada na interação com humanos para as áreas de retalho, restauração, saúde e lazer.

Recomendadas

Inquérito/Energia: Pedro Rezende disse que Manso Neto assumiu a negociação dos CMEC pela EDP

Segundo o antigo administrador, à época, “toda a gente”, começando na Comissão Europeia, passando pelos diferentes governos e operadores, “acreditava firmemente que a liberalização do mercado ia descer os preços” da energia.

Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Associação de lesados do Banif espera solução até final de dezembro

Entre os lesados estão cerca de 3.500 obrigacionistas, grande parte das regiões autónomas da Madeira e dos Açores, mas também das comunidades portuguesas na África do Sul, Venezuela e Estados Unidos, num total de perdas de 263 milhões de euros.
Comentários