Projetos na área da saúde e segurança vencem Prémio Inovação Ageas

Três projetos inovadores na área da esterilização de equipamentos hospitalares, de localização e socorro rápido no mar e ainda uma almofada inteligente capaz de induzir alterações de postura foram os vencedores da 1ª Edição do Prémio de Inovação Ageas Seguros – Novo Mundo.

A recente cerimónia de encerramento e entrega de prémios realizou-se no edifício da Healtcare City, no TagusPark, em Oeiras, com a presença de todos os finalistas, convidados e dos elementos do júri, composto por Steven Braekeveldt, CEO da Ageas Portugal, Miguel Neiva, criador da ColorADD e Embaixador do prémio; José Manuel Silva, ex-bastonário da Ordem dos médicos; José Galamba de Oliveira, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores e Nuno Carvalho, CEO Healthcare City.

Com o Prémio Inovação Ageas Seguros 2016 – “Novo Mundo” a Ageas pretende abrir as portas à criatividade e espírito inovador dos jovens universitários, desafiando-os a desenvolver ideias e soluções nas áreas da prevenção e proteção de riscos direcionadas para a área da saúde, bem-estar ou qualidade de vida. Ao projeto vencedor, que poderá vir a ser implementado pela Ageas, foi atribuído um prémio monetário de 7.500 euros,  ao segundo, de 3 mil euros e ao terceiro, de 2 mil euros. As equipas vencedoras vão agora ter uma experiência de incubação de três meses na Healthcare City.

Quem são os vencedores?

Fadhil Yussof Musa, aluno do 2º ano de Mestrado em Bioquímica da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa conquistou o primeiro lugar com o projeto dryVHP. Tendo como ponto de partida o aumento exponencial das infeções hospitalares, o dryVHP consiste no desenvolvimento de uma formulação sólida de peróxido de hidrogénio que, ao ser inserida em equipamentos de esterilização, permite uma libertação rápida deste composto, tornando o processo mais rápido e eficiente, comparativamente aos existentes no mercado.

O segundo lugar foi conquistado pelo projeto SeaMe, desenvolvido por Alexandre Vieira, João Vieira e José Dias, alunos do 5º ano de Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores do Instituto Superior Técnico e consiste num pequeno dispositivo de localização de utilização pessoal, destinado a praticantes de desportos marítimos ou profissionais de profissões relacionadas com o mar, que pode ser acionado em caso de acidente com o objetivo de reduzir o tempo de busca e aumentar as probabilidades de salvamentos bem sucedidos.

Em terceiro lugar, o projeto  Smart Pillow de Patricia Cantante, Eliana Gomes e Gonçalo Andrade, alunos do 4º ano de Fisioterapia da  Escola Superior de Tecnologias da Saúde de Coimbra desenvolve uma solução para correção de postura. Trata-se de uma almofada inteligente  que deteta a variação de postura para uma menos correta, alertando o utilizador, através de uma aplicação conectada a um dispositivo móvel e induzindo-o a posicionar-se corretamente. Esta correção dinâmica é concebida através dos princípios da neuroplasticidade – a capacidade do sistema nervoso em alterar e reorganizar os seus padrões de acordo com os fatores externos do meio ambiente, induzindo uma aprendizagem por parte do organismo e levando a uma correção de postura permanente.

Ler mais
Recomendadas

CGD: BdP avalia idoneidade de sete ex-gestores, incluindo o ex-governador António de Sousa

Entre os gestores que desempenharam funções na CGD entre 2000 e 2015 a ser avaliados pelo BdP estão ainda Vítor Fernandes e Jorge Cardoso (Novo Banco), João Nuno Palma (BCP), António Vila-Cova (Finantia), Maria João Carioca (CGD) e José Fernando Maia de Araújo (EuroBic).

EconPol diz que União Bancária não protege bancos europeus das repercussões de uma crise orçamental italiana

Os planos orçamentais do novo governo italiano têm o potencial de desencadear uma nova crise financeira, diz o analista da EconPol Europe, Timo Wollmershäuser.

PremiumGoverno enviou Margarida Corrêa de Aguiar e Caldeira Cabral para a CRESAP

O Ministério das Finanças quer acelerar as nomeações do regulador dos seguros por causa da reforma da supervisão financeira.
Comentários