PremiumPropinas baixam 212 euros. Medida custa ao país 50 milhões

Manuel Heitor deixa a sua impressão digital no Orçamento de Estado para 2019 ao avançar a medida que baixa as propinas cobradas no ensino superior, que se encontravam congeladas desde 2016. O tecto máximo das propinas, atualmente, nos 1.068 euros cai para 856 euros, no ano letivo 2019/2020, o que representa uma redução exata de 212 euros por ano.

Manuel Heitor deixa a sua impressão digital no Orçamento de Estado para 2019 ao avançar a medida que baixa as propinas cobradas no ensino superior, que se encontravam congeladas desde 2016. O tecto máximo das propinas, atualmente, nos 1.068 euros cai para 856 euros, no ano letivo 2019/2020, o que representa uma redução exata de 212 euros por ano. É indiscutivelmente a medida mais emblemática da proposta do Orçamento do Estado para 2019 na área do Ensino Superior e constitui um forte incentivo à política do ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da sua secretária de Estado Fernanda Rollo, visando atrair os jovens para o ensino ensino superior, num país onde somente um em cada três lá chega e, ainda assim, nem sempre o completa.

“É uma decisão política pioneira. É a primeira vez que a propina é reduzida por decreto” em Portugal, considerou presidente da direção-geral da Associação Académica de Coimbra, Alexandre Amado. Na capital, João Rodrigues, presidente da Direção-Geral da Federação Académica de Lisboa, apontou no mesmo sentido: “Ao longo dos anos foram vários os alertas que deixamos, as posições políticas que vinculamos e as reivindicações tomadas para hoje assistirmos a esta pequena vitória. Hoje firmou-se um pequeno passo para um Ensino Superior mais inclusivo, mas ainda há um longo caminho a percorrer.”

A baixa das propinas vai ter impacto na gestão financeira das universidades e dos politécnicos de que é uma fonte importante de financiamento e que vivem em regime de subfinanciamento há muito tempo. Portanto, embora se perceba o sinal dado por Manuel Heitor, a  medida está longe de ser consensual. Ao Jornal Económico Arlindo Oliveira, presidente do Instituto Superior Técnico contabiliza em 50 milhões de euros e custo para o país e questiona-se: “Será esta a melhor a forma de atingir o objetivo de tornar o ensino superior mais acessível a todos e de melhorar a eficácia do sistema?”

A aposta no interior, como forma de combater o vazio e contribuir para fixar as populações à terra, é outra aposta de Manuel Heitor, que dá passos neste OE2019: uma majoração de 10% no valor suportado pelas famílias com as despesas de educação. Sendo que a dedução à coleta do IRS terá como limite o valor de 600 euros durante três anos. A medida junta-se ao corte de 5% das vagas em instituições de Lisboa e do Porto visando atingir o mesmo desiderato.

Recomendadas

É oficial: o café está em risco de extinção

Alterações climáticas que se têm sentido nos últimos anos estão a afetar a produção de café.

Inquilinos esperam promulgação de alterações à lei das rendas

A Associação dos Inquilinos Lisbonenses (AIL) disse hoje à Lusa que espera que as alterações à legislação das rendas sejam promulgadas pelo Presidente da República, defendendo que estas podem ser “globalmente positivas”, mas também comportam aspetos negativos.

Reforma da supervisão financeira anunciada há quase dois anos continua por fazer

A reforma da supervisão financeira faz parte do programa do Governo, de finais de 2015, e logo em 2016 o ministro das Finanças, Mário Centeno, falou da necessidade de lançar uma “reflexão profunda” sobre a supervisão, para que “funcione melhor”, tendo em conta que “a experiência recente do sistema financeiro [português] é dececionante”.
Comentários