PS: Alegre adverte que viragem à direita representaria risco de morte do partido

“O PS não pode inverter o caminho atual. Uma viragem à direita representaria um risco de morte para o PS, porque o Bloco Central empobrece a democracia e o ‘centrão’, hoje, ou em qualquer lado do mundo, significa empobrecimento do sistema e a ascensão do populismo”, advertiu o ex-candidato presidencial.

Marcos Borga/Reuters

O dirigente histórico socialista Manuel Alegre afirmou hoje que uma viragem à direita representaria “um risco de morte” para o PS, que deve pedir maioria absoluta nas próximas eleições, mas mantendo a convergência de esquerda.

Estas foram as mensagens centrais deixadas por Manuel Alegre no seu discurso perante o 22º Congresso Nacional do PS, na Batalha, distrito de Leiria, em que foi muito aplaudido e em que manifestou apoio à corrente jovem mais à esquerda dos socialistas, liderada pelo secretário de Estado Pedro Nuno Santos, contra as “tentações centristas”.

“O PS não pode inverter o caminho atual. Uma viragem à direita representaria um risco de morte para o PS, porque o Bloco Central empobrece a democracia e o ‘centrão’, hoje, ou em qualquer lado do mundo, significa empobrecimento do sistema e a ascensão do populismo”, advertiu o ex-candidato presidencial.

Num discurso marcado por elogios ao Governo liderado por António Costa, Manuel Alegre defendeu que o PS “não deve ter medo de pedir a maioria absoluta” nas próximas eleições legislativas, mas qualquer que seja o resultado “deve manter a política de convergência de esquerda”.

“É preciso que fique claro que o PS é um partido da esquerda democrática e não a ala esquerda do neoliberalismo, nem a bengala da direita”, afirmou, já depois de ter considerado que a chamada “Terceira Via” que nasceu na década de 90 no Reino Unido, com Tony Blair, “foi um desastre para o socialismo e para a democracia”.

Relacionadas

“Isto não é radicalismo, é ser socialista”, diz Pedro Nuno Santos

O dirigente socialista Pedro Nuno Santos fez hoje a defesa da solução governativa do PS e considerou que defender o serviço público “não é radicalismo, é ser socialista”.

Daniel Adrião apresenta lista à Comissão Nacional

Será o próprio Daniel Adrião, que obteve 4% nas diretas frente ao secretário-geral socialista, António Costa, a encabeçar a lista.

Costa: “O PS tem um longo historial de combate à corrupção”

Questionado pela SIC sobre casos recentes relacionados com membros do PS, o primeiro-ministro afirmou considerar que não fragilizam o partido.

César define como prioritária reforma pela transparência na atividade política

Carlos César discursou na abertura do segundo dos três dias de trabalhos do 22º Congresso Nacional do PS, depois de ter sido reeleito presidente deste partido com mais de 96% dos votos.

Congresso do PS: Carlos César reeleito presidente do partido

Carlos César recebeu um forte aplauso da sala, ainda não completamente cheia, quando foi lido o seu nome.
Recomendadas

Pedro Marques não se compromete com alterações às SCUT urbanas

O Governo está a preparar um plano para a próxima década, com o qual pretende aumentar a mobilidade e promover os transportes públicos. Qualquer alteração terá de fazer parte desse plano.

Trabalhistas a favor de um segundo referendo do Brexit

O líder do partido trabalhista, Jeremy Corbyn, garante que se a conferência anual do partido decidir apoiar um novo referendo ao Brexit, ele irá defendê-lo.

Manuel Pinho poderá ter usado perdão fiscal para limpar ‘luvas’ do BES

O Ministério Público, que se encontra a investigar o caso EDP, pretende ter os documentos no caso GES sobre a adesão do ex-ministro da Economia ao Regime Excecional de Regularização Tributária.
Comentários