PS: Chumbo de lista encabeçada por Ana Mendes Godinho na Guarda faz primeira baixa

Lista foi chumbada por um voto na reunião da Comissão Política Distrital do PS. Presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, diz que irá apresentar a demissão.

O presidente da Federação Socialista da Guarda, Pedro Fonseca, disse esta quarta-feira à agência Lusa que vai demitir-se do cargo por a lista de candidatos às eleições legislativas, liderada por Ana Mendes Godinho, ter sido chumbada pela distrital.

A lista proposta pela Federação do PS/Guarda foi chumbada por um voto (obteve 29 votos contra, 28 a favor e um branco) na reunião da Comissão Política Distrital realizada na terça-feira à noite.

A lista rejeitada pela Comissão Política Distrital do PS é liderada pela secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, que foi escolhida pelo secretário-geral do PS, António Costa.

Nos lugares seguintes estão, por ordem, os nomes de Pedro Fonseca (líder distrital dos socialistas e vereador na Câmara Municipal da Guarda), Olga Marques (ex-presidente das Mulheres Socialistas no distrito da Guarda, indicada por Celorico da Beira), Fábio Pinto (por indicação da Juventude Socialista), Telma Mano (Figueira de Castelo Rodrigo) e Jorge Liça (Vila Nova de Foz Côa).

Com a rejeição da lista proposta pela Federação, o dirigente Pedro Fonseca disse à Lusa que vai demitir-se hoje do cargo de líder distrital do PS/Guarda e que renunciará ao mandato de vereador na próxima reunião de Câmara, agendada para segunda-feira.

Pedro Fonseca justifica a decisão por ter “maioria na Comissão Política Distrital” socialista e por esta não o ter acompanhado na proposta apresentada.

“O responsável pela lista que foi proposta sou eu. Até hoje tudo o que apresentei à Comissão Política Distrital foi aprovado. O apoio que eu tinha na Comissão Política Distrital desapareceu hoje e, se isso desaparece, eu desapareço com ele. Não tendo apoio, ninguém precisa de me indicar a porta, eu sei sair”, justificou.

O socialista, que desempenha as funções de presidente da Federação do PS da Guarda desde março de 2018, disse que a demissão “é irreversível” e que aguarda indicações de Lisboa, da estrutura nacional, para tratar do processo.

O responsável também já comunicou ao presidente da Comissão Política Concelhia local a renúncia ao mandato de vereador na Câmara Municipal da Guarda.

“Não sou um empecilho para o partido, nunca vivi do partido, nunca vivi da politica, nunca tive remuneração nenhuma e vivo de acordo com a ética republicana. Eu não dependo da política, mas dependo dos valores fundamentais da ética republicana”, afirmou.

Em relação a Ana Mendes Godinho, proposta por António Costa para liderar a lista pelo círculo eleitoral da Guarda, Pedro Fonseca diz que “é uma excelente cabeça de lista”.

“Eu concordei com ela para cabeça de lista. É uma pessoa com um trabalho político extraordinário, com qualidades humanas”, disse.

Pedro Fonseca remete mais explicações para uma conferência de imprensa que realizará na quinta-feira, pelas 18:00.

Em 2015, a lista socialista na Guarda foi encabeçada por António José Santinho Pacheco, seguido da atual porta-voz do PS, Maria Antónia de Almeida Santos.

Ler mais
Recomendadas

Passes, energia renovável e eficiência. Os truques de Medina para combater as alterações climáticas

“Olhando para os dados, os últimos anos foram os mais quentes de que há registo”, afirmando que esta é uma das realidades mais visíveis no nosso país, que tem enfrentado secas extremas, incêndios e cheias.

Alterações climáticas: Lisboa ameaçada por cheias, seca, subida do nível do mar e calor excessivo

“A erosão continua, o calor excessivo aumenta, a seca meteorológica vai aumentar na zona de Setúbal e as cheias vão atacar o Tejo”, especialmente na região em que o Governo está a planear construir o aeroporto do Montijo, alerta especialista.

PremiumEx-secretário de Estado orienta reestruturação financeira do CDS-PP

Leonardo Mathias, antigo ‘número dois’ de Pires de Lima, foi escolhido para resolver situação financeira do CDS-PP. Tem como missão colocar a dívida em níveis geríveis, afastando-a o máximo que possível dos dois milhões.
Comentários