PS garante que “não vai à boleia da pandemia” no que toca ao teletrabalho

Maria Begonha defendeu que a regulamentação do teletrabalho passará pela concertação social, ouvindo os parceiros sociais e tendo em conta a vontade dos trabalhadores para não colocar em causa “décadas e décadas de lutas e conquistas”.

A deputada socialista Maria Begonha disse que o PS “não vai à boleia da pandemia para cumprir o seu programa eleitoral” no que diz respeito ao teletrabalho, numa intervenção no debate parlamentar sobre o tema que foi agendado para esta sexta-feira por iniciativa do PAN – Pessoas, Animais, Natureza, garantindo que a necessária regulamentação que evite atropelos ocorrerá sempre em sede de concertação social e ouvindo os trabalhadores, tanto do setor público, no qual se prevê a possibilidade de 25% da Administração Pública em funções compatíveis estar em teletrabalho até ao final da legislatura, quanto das empresas privadas.

“A vontade do trabalhador é para nós a chave no direito ao teletrabalho”, disse a parlamentar do PS, realçando que não podem ser colocadas em causa as “décadas e décadas de lutas e de conquistas laborais que nos antecederam”, através da desregulamentação e da perda de direitos.

Depois de ter ouvido da líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, críticas à ausência do Governo, que não se fez representar na Assembleia da República, Maria Begonha admitiu que os atropelos aos direitos dos trabalhadores “não são problemas novos mas aceleraram nesta pandemia” e vincou a importância do direito a desligar naquilo que descreveu como uma 4.ª Revolução Industrial em que “nunca o direito inabalável à privacidade foi tão relevante”.

Admitindo que “o teletrabalho e o ensino à distância reproduzem desigualdades que já existem”, nomeadamente no que diz respeito às condições habitacionais e tecnológicas dos trabalhadores, Maria Begonha deixou claro que também pode contribuir para a emancipação dos jovens e, em particular, para aqueles que têm a “dupla penalização” de viverem no Interior de Portugal.

Relacionadas

PAN apela a regulamentação do teletrabalho em debate com ausência do Governo

Inês Sousa Real defende código de boas práticas que acautele “atropelos incompreensíveis aos direitos dos trabalhadores” num momento em que a pandemia de Covid-19 fez aumentar o recurso ao teletrabalho.
Recomendadas

“União Europeia é exemplo de resposta positiva à pandemia”, defende Augusto Santos Silva

Participando na 4ª Conferência de Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros disse que as organizações mundiais da saúde e do comércio carecem de uma reforma profunda, sob pena de perderem eficácia.

Ex-ministro da saúde de Bolsonaro critica “frieza excessiva” do presidente na gestão da pandemia

O primeiro dos três ministros que Jair Bolsonaro já apontou para a pasta da saúde lançou um livro no qual aborda a gestão brasileira da pandemia, deixando fortes críticas à atuação do presidente.

OE 2021: Aumento de 20 euros do salário mínimo em cima da mesa

Proposta do executivo de António Costa para o aumento do salário mínimo poderá ser de menos 15 euros do que foi no ano passado, uma medida que não agrada ao Bloco de Esquerda que pede um crescimento de 35 euros, nem ao PCP que sugere uma subida de 215 euros.
Comentários