PSD agenda para sexta-feira debate de atualidade para evitar IRC baixos

O debate foi pedido pelo líder do PSD, Rui Rio, para se discutir uma mudança à lei fiscal que permite a empresas como a EDP pagar 0,7% de IRC foi hoje agendado para sexta-feira, no parlamento.

Ler mais

O debate urgente pedido pelo líder do PSD, Rui Rio, para se discutir uma mudança à lei fiscal que permite a empresas como a EDP pagar 0,7% de IRC foi hoje agendado para sexta-feira, no parlamento.

O agendamento do debate de atualidade foi feito, a pedido do PSD, na conferência de líderes e terá como título “equidade e competitividade das empresas portuguesas”.

O debate de atualidade pode ser pedido pelos partidos, tem prioridade sobre outros e pode ser comunicado até às 18:00 da véspera de acontecer.

No sábado, o semanário Expresso noticiou que a EDP pagou 0,7% de IRC em 2017 e no mesmo dia, em declarações à Lusa, Rui Rio afirmou querer alterar a lei fiscal, anunciando que o partido ia agendar um debate de atualidade no parlamento durante esta semana.

“Isto não faz sentido, isto é injusto”, sustentou o líder do PSD, Rui Rio, à agência Lusa, ao comentar a notícia veiculada pelo semanário de que a EDP pagou uma taxa de IRC (Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas) de 0,7% em 2017, a mais baixa das empresas cotadas na bolsa portuguesa.

O novo líder social-democrata argumentou que “nenhum português de bom senso aceita uma coisa destas”, recordando que “a lógica de qualquer imposto sobre o rendimento é de que quem ganha mais deve pagar mais e de que quem ganha menos deve pagar menos”.

Recomendadas

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, diz ministro

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

TC: Restrições ao pagamento de subvenções vitalícias aos ex-políticos são constitucionais

O acórdão dá resposta a um pedido de fiscalização sucessiva apresentado em agosto do ano passado pelo anterior Provedor de Justiça, José de Faria Costa, que invocou a violação do princípio da proteção de confiança nas restrições impostas a partir de 2012 à acumulação da subvenção vitalícia com outras remunerações.

Martins da Cruz: “Tenho pena do que estão a fazer ao PSD”

“Tenho pena do que estão” a fazer ao PSD e “não tenho paciência para pacóvios”, declarou o diplomata esta sexta-feira ao DN. Embaixador e ex-ministro sai do PSD em protesto contra a direção de Rui Rio.
Comentários