PSD critica resposta da autarquia de Lisboa à pandemia e pede demissão de Fernando Medina

Depois do presidente da Câmara de Lisboa ter criticado fortemente as autoridades de saúde pela resposta à crise da Covid-19, o PSD critica a atuação da autarquia durante a pandemia.

As declarações do presidente da Câmara de Lisboa às autoridades de saúde não passaram despercebidas ao PSD. Fernando Medina reconheceu que “várias coisas correram mal” no controlo da Covid-19 na região de Lisboa e que a ação no terreno falhou.

“Isto é uma questão de chefias. Ou as chefias na zona de Lisboa, rapidamente, põem ordem na casa em muitos poucos dias e têm a situação sob controlo ou essas chefias têm de ser reavaliadas”, afirmou Medina, acrescentando: “Com maus chefes e pouco exército não conseguimos ganhar esta guerra”, referindo-se às autoridades de saúde.

Em comunicado, o presidente de bancada do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa considera que as declarações de Medina devem ser aplicadas ao próprio autarca pela qualidade de resposta à crise da pandemia do novo coronavírus na capital.

“Parece que Medina acabou de pedir a demissão de… Medina (e nós concordamos).”, escreve Luís Newton. “Fernando Medina culpa as chefias da região de Lisboa pela situação atual da gestão pandémica e com razão”.

Newton contesta que Medida é responsável por ter demorado “semanas a aceitar a desinfeção de espaços públicos (quiseram mesmo impedir essas ações)”, por não ter “testado os próprios funcionários, fundamental para proteger as próprias famílias”, e que “não preparou a Carris para o período de distanciamento social”.

Além disso, acrescenta o PSD ao ‘rol de críticas’ ao autarca, “encorajou um desconfinamento relaxado, que levou aos excessos a que hoje assistimos”, “não quis distribuir máscaras à sua população, facto que teria sido fundamental para evitar propagação, por exemplo, nos bairros municipais”, e que “rejeitou medidas especiais de emergência para Lisboa e até desclassificou quem as propôs”.

“Nada fez contra as manifestações e comícios que puseram em risco o controlo do surto”, lê-se na nota que não faz, porém, uma identificação direta ao 1.º de Maio nem às manifestações que decorreram durante o mês de junho.

O PSD defende que “Medina não faz isto num súbito acesso de consciência para proteger as suas populações… faz isto na sequência da desavença do primeiro-ministro com os técnicos de saúde na última reunião do Infarmed”.

“A verdade é que o secretário de Estado de Lisboa, Fernando Medina (sim, dificilmente neste período terá sido um verdadeiro presidente de Câmara), deverá ser consequente com as suas palavras e ser o primeiro a demitir-se”, remata Luís Newton, presidente de bancada do PSD na Assembleia Municipal de Lisboa.

Recomendadas
Inês de Sousa Real

PAN abstém-se na votação da generalidade do OE2022

O partido liderado por Inês Sousa Real segue assim o voto das deputadas não inscritas Cristina Rodrigues e Joacine Katar Moreira.

Bloco de Esquerda acusa Governo de “não mostrar vontade de negociar”

“Do ponto de vista negocial, é estranho que o Governo peça isso, porque o Governo sabe há muito tempo que estas são as nove propostas que o BE levou a negociação”, disse Pedro Filipe Soares à rádio TSF.
joacine_katar_moreira_livre

OE 2022: Joacine Katar Moreira anuncia abstenção na generalidade

Até ao momento, já anunciaram o chumbo, o PSD, CDS-PP, Chega, IL e Bloco de Esquerda, num total de 105 votos. A favor, o PS (108 votos), com as abstenções das duas deputadas únicas.
Comentários