PSD: Montenegro cancela intervenção na convenção do MEL

O cancelamento acontece no mesmo dia em que vai apresentar a candidatura à presidência do PSD, numa conferência de imprensa marcada para as 16h00, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

O ex-líder parlamentar do Partido Social Democrata (PSD) cancelou a intervenção que tinha marcada para esta sexta-feira na 1.ª Convenção do Movimento Europa e da Liberdade (MEL). O cancelamento acontece no mesmo dia em que vai apresentar a candidatura à presidência do PSD, numa conferência de imprensa marcada para as 16h00, no Centro Cultural de Belém, em Lisboa.

Luís Montenegro iria participar num painel sobre “novas realidades europeias e mundiais”, que conta com a participação do economista Luís Amado, o consultor João Marques de Almeida, o economista Joaquim Aguiar e o ex-líder do Partido do Centro Democrático Cristão (CDS-PP), Paulo Portas. O painel vai ser moderado pelo jornalista António Costa.

A 1.ª Convenção do Movimento Europa e Liberdade termina esta sexta-feira. O evento tem como objetivo colocar os partidos “do centro da governação” a debater temas como os desafios da Europa e do mundo, influenciando o discurso político e rejeitando qualquer tipo de ataque ao Governo e partidos atuais.

Recomendadas

Marques Mendes garante que Paulo Rangel é o escolhido de Rui Rio para se candidatar às europeias

Para além dessa novidade, Marques Mendes comentou a mediática prisão de Armando Vara dizendo que “é apenas uma ponta do icebergue de uma rede muito poderosa que durante 20 anos, ou mais, existiu em Portugal”. O comentador aponta culpas à sua nomeação para a CGD e BCP, não apenas a Sócrates, mas a Vítor Constâncio, então Governador do Banco de Portugal.

Rui Rio diz que o Governo socialista engana permanentemente os portugueses

“O grande engano é quando nos vendem uma situação económica de quase milagre económico e depois todos descobrimos que não pode fazer isto e aquilo porque não têm meios”, disse Rui Rio, no encerramento do XVII Congresso do PSD/Madeira, no Funchal, em que Miguel Albuquerque foi reeleito presidente.

Santana Lopes quer mais do que seis ou sete deputados do Aliança e “coligação à direita” pós-eleitoral

Em entrevista ao “Diário de Notícias” e TSF, o líder do Aliança defende que “uma coligação à direita é a única forma de retirar a esquerda do poder”. Questionado sobre se eleger seis ou setes deputados seria um bom resultado para o novo partido, Santana Lopes assume que é “ambicioso” e quer “mais”. Objetivo essencial é garantir que “o centro-direita consiga ter os tais 115 + 1 deputados”.
Comentários