PSD quer alterar a forma como são distribuídos os resultados líquidos dos jogos sociais

Em causa está a diminuição da percentagem dos resultados líquidos dos jogos sociais destinados à proteção civil, emergência e socorro, uma situação que o PSD considera “incompreensível”.

O Partido Social Democrata (PSD) quer alterar a forma como são distribuídos os resultados líquidos dos jogos sociais explorados pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). Em causa está a diminuição da percentagem dos resultados líquidos dos jogos sociais destinados à proteção civil, emergência e socorro, uma situação que o PSD considera “incompreensível”.

“O diploma sub-judice [publicado em Diário da República em abril deste ano] diminui a percentagem dos resultados líquidos dos jogos sociais destinados à proteção civil, emergência e socorro, nomeadamente apoio a associações de bombeiros voluntários – que passa de 2,8% para 2,65%”, notam os sociais-democratas na apreciação parlamentar do decreto-lei.

Os sociais-democratas consideram que esta diminuição é “incompreensível” tendo em conta as “graves ineficiências e falta de recursos que a história recente demonstrou dramaticamente com perdas humanas, ambientais e materiais inadmissíveis”. Os incêndios de junho e outubro do ano passado fizeram 115 vítimas mortais e mais de 300 feridos.

“Urge dotar estas instituições com todos os meios suficientes e necessários uma vez que são elas que estão na primeira linha de defesa de pessoas e bens em caso de catástrofe”, considera o PSD. “E esses meios dependem também destes recursos financeiros, quer em termos percentuais quer absolutos, para que a história da desgraça do ano passado não se repita e se instale a serenidade nas populações e se encontrem os meios necessários e a motivação junto dos que nos protegem”.

 

Recomendadas

Ata do IPDJ contraria afirmações do secretário de Estado do Desporto

Ata de reunião de 5 de maio de 2017 do conselho diretivo do IPDJ confirma acusação que recai sobre Vítor Pataco: Baganha teve de avocar o processo que o seu vice reteve por nove meses.

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, diz ministro

O ministro da Saúde considera que a decisão de suspender para já a deslocalização do Infarmed para o Porto “é coerente” com o que Governo tem afirmado e foi tomada tendo em conta a vontade dos trabalhadores da instituição.

Decisão sobre Infarmed é coerente e teve em conta vontade dos trabalhadores, realça ministro da Saúde

Para Campos Fernandes, a análise feita pelo grupo de trabalho sobre a manifestação da vontade dos trabalhadores, que não pretendiam mudar para o Porto, constitui uma “barreira” à deslocalização do Infarmed.
Comentários