PSD questiona necessidade de criar uma Polícia Municipal no Funchal

Os sociais democratas questionam se esta não será mais uma maneira de sobrecarregar os munícipes com multas e taxas. O PSD defende que existem necessidades mais urgentes que precisam de ser resolvidas no município.

O PSD expressou apreensão perante a criação de uma Polícia Municipal no Funchal e questiona qual é a necessidade de se ter uma força de segurança deste género no Município. Os sociais democratas indagam se esta não será mais uma forma da Autarquia sobrecarregar os seus munícipes com mais multas e coimas.

“O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, começou por secundarizar o papel da Polícia de Segurança Pública (PSP), relegando esta instituição para as funções de segurança apenas, sabendo que as funções de fiscalização, de controlo e de acompanhamento seriam realizadas pela Polícia Municipal”, afirmou Jorge Vale Fernandes, vereador do PSD na autarquia do Funchal.

O social democrata diz que existem “necessidades mais urgentes” que necessitam de ser resolvidas no município que vão para além da Polícia Municipal.

Os custos da Polícia Municipal são outra preocupação levantada pelo social democrata.

“Só as instalações de uma Polícia Municipal custarão pelo menos 1 Milhão de Euros. A estes custos acrescerão, no futuro, outros de manutenção, de operação e de pagamento de salários”, alertou.

Jorge Vale Fernandes quer também saber o que será feito com os funcionários do Município que já realizavam funções de fiscalização. Os sociais democratas expressam cautela perante a criação da Polícia Municipal e dizem que já solicitaram os estudos que foram realizados pela Autarquia mas que até ao momento não foram disponibilizados.

Ler mais
Recomendadas

Uaucacau planeia chegar a Lisboa ou Porto até final do ano

A empresa produz chocolates artesanais, com sabores típicos da Madeira, que são obtidos através de produtores regionais.

Estado quer canalizar receita dos impostos do tabaco e das bebidas açucaradas das regiões autónomas para o SNS

A proposta de OE2019 prevê uma alteração ao atual artigo do Código dos Impostos Especiais de Consumo no que se refere ao Artigo 105.º (Taxas nas Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira), aumentando o imposto sobre o tabaco produzido nestas regiões. As receitas serão canalizadas para o SNS. Assim como as das bebidas açucaradas.

‘Bioplatform’: plataforma de agricultura biológica quer chegar ao mercado ibérico

O Bioplatform é uma plataforma comercial quer quer servir como pólo agregador na área da agricultura biológica.
Comentários