PSD questiona necessidade de criar uma Polícia Municipal no Funchal

Os sociais democratas questionam se esta não será mais uma maneira de sobrecarregar os munícipes com multas e taxas. O PSD defende que existem necessidades mais urgentes que precisam de ser resolvidas no município.

O PSD expressou apreensão perante a criação de uma Polícia Municipal no Funchal e questiona qual é a necessidade de se ter uma força de segurança deste género no Município. Os sociais democratas indagam se esta não será mais uma forma da Autarquia sobrecarregar os seus munícipes com mais multas e coimas.

“O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Paulo Cafôfo, começou por secundarizar o papel da Polícia de Segurança Pública (PSP), relegando esta instituição para as funções de segurança apenas, sabendo que as funções de fiscalização, de controlo e de acompanhamento seriam realizadas pela Polícia Municipal”, afirmou Jorge Vale Fernandes, vereador do PSD na autarquia do Funchal.

O social democrata diz que existem “necessidades mais urgentes” que necessitam de ser resolvidas no município que vão para além da Polícia Municipal.

Os custos da Polícia Municipal são outra preocupação levantada pelo social democrata.

“Só as instalações de uma Polícia Municipal custarão pelo menos 1 Milhão de Euros. A estes custos acrescerão, no futuro, outros de manutenção, de operação e de pagamento de salários”, alertou.

Jorge Vale Fernandes quer também saber o que será feito com os funcionários do Município que já realizavam funções de fiscalização. Os sociais democratas expressam cautela perante a criação da Polícia Municipal e dizem que já solicitaram os estudos que foram realizados pela Autarquia mas que até ao momento não foram disponibilizados.

Ler mais
Recomendadas

Binter lança campanha para voos entre Madeira, Canárias e Tenerife

A campanha é válida até este sábado para voos realizados em março.

Orquestra Clássica da Madeira em concerto que comemora os seus 55 anos

O concerto vai ter lugar no Centro de Congressos da Madeira, com início às 18h.

PSD diz que a Madeira “pode orgulhar-se” de ser a primeira no País a avançar com estatuto do cuidador informal

João Paulo Marques diz que a proposta “prova” que o Governo Regional tem a intervenção e o apoio social como áreas prioritárias de governação, “não só apoiando quem mais precisa, mas, com o estatuto do cuidador informal, cuidando de quem cuida e dando condições para que os familiares possam cuidar dos seus doentes em casa, que é onde deles precisam e onde merecem estar”.
Comentários