PSI 20 acompanha queda das congéneres europeias depois de Trump admitir mais tarifas à China

O principal índice bolsista português perde 0,16%, para 5.255,12 pontos.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,16%, para 5.255,12 pontos, em linha com as principais congéneres europeias esta quarta-feira. Os mercados europeus negoceiam em baixa, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter dito que a Casa Branca poderia impor mais tarifas à China. Também o possível alívio das tensões entre EUA e Irão é tema entre os investidores.

Em Lisboa, os títulos da Sonae (-0,72%), dos CTT (-0,58%), da EDP (-0,56%), do BCP (-048%) e da Galp (-0,46%).De acordo com o diário da bolsa do BPI, “as ações portuguesas movem-se de acordo com fatores mais específicos dos respetivos setores”.

No caso da EDP, “as yields são a principal condicionante”, uma vez que têm um impacto direto em setores mais defensivos como é o caso da energia. Na sessão de terça-feira, as yields desvalorizaram, o que pode levar os investidores a diminuir a sua exposição.

No caso da Galp, a empresa liderada por Carlos Gomes da Silva é condicionada pela evolução do crude. Na última sessão, registou-se de 4% nos mercados petrolíferos, embora, hoje, o Brent, que é negociado em Londres e é referência para Portugal, some 0,45%, para 64,64 dólares, e o WTI ganhe 0,24%, para 57,76 dólares.

Já o BCP, é influenciado pelo comportamente dos seus pares europeus, sobretudo, pela banca italiana.

Em contraciclo, mas incapazes de inverter a tendência, estão os ganhos das empresa cotadas EDP Renováveis, Sonae Capital e Navigator.

Ler mais

Recomendadas

Emprego norte-americano dá ânimo a Wall Street

Em novembro, foram criados 266 mil novos postos de trabalho nos Estados Unidos, 47% acima das estimativas, que apontavam para a criação de 180 mil novos empregos. A taxa de desemprego caiu mais do que o era esperado, para os 3,5% – previsa-se que ficasse nos 3,6%, idêntica à taxa registada no mês de outubro.

Wall Street sem gás à espera de dados económicos

Um número que a ser alcançado não belisca a ideia bem estabelecida nos analistas de que é a força do mercado de trabalho que está a sustentar o crescimento económico.

China quer dominar reconhecimento facial

Os temas mais sensíveis entre os EUA e a China têm mais relação com supremacia tecnológica do que com tarifas. O objetivo é desenvolver e dominar o setor da Inteligência Artificial a nível global.
Comentários