PSI 20 cai, penalizado pelo BCP e resultados da Sonae

A praça portuguesa perde 0,23%, para 5,253,56 pontos, esta quinta-feira. Destaque para a Sonae, que apesar de ter apresentado um crescimento de 33,7% dos lucros de 2018, cai quase 1,90%.

O principal índice bolsista português, PSI 20, perde 0,23%, para 5,253,56 pontos esta quinta-feira, com a praça nacional a reagir a notícias de específicas de empresas, como os resultados da Sonae e a antevisão das contas da REN, mas também pela reação dos investidores à reunião da Fed.

Em Lisboa, os títulos da Sonae são o destaque por perderem 1,90%, para 0,95 euros, após a empresa ter revelado um crescimento do lucro de 33,7%, para 222 milhões de euros em 2018. Segundo os dados comunicados à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a rentabilidade melhorou, com a subida de 26,7% do EBITDA total (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) para 483 milhões de euros. Já o volume de negócios consolidado atingiu os seis mil milhões de euros (+8,1%), com o contributo positivo de todas as áreas, com destaque para a Sonae MC (+7,0%) e para a Worten (+7,6%), que apresentaram igualmente elevados crescimentos no mesmo universo de lojas.

A energética REN que hoje, após o fecho da sessão apresenta, resultados trimestrais, é outro destaque. A empresa cotada, de acordo com uma nota do CaixaBank BP Research, deverá apresenta um aumento de 4% nas receitas, para 239 milhões de euros, face a igual período de 2018. O EBITDA terá diminuido 10%, para 111 milhões de euros, sendo que o resultado líquido deverá ter caído 4%, para 22 milhões de euros. A REN perde 0,15%, para 2,64 euros.

As quedas dos títulos da Pharol (-2,12%), da Navigator (-1,74%), do BCP (-1,27%) e dos CTT (-0,88%) também marcam a primeira hora da sessão.

A evitar que a queda do PSI 20 seja mais acentuada estão as valorizações da Galp (0,87%) e EDP (0,72%).

Entre as principais praças europeias, o momento vivido é de reação à reunião de quarta-feira da Reserva Federal dos EUA (Fed). A Fed decidiu manter a taxa de juro de referência para os EUA inalterada no intervalo 2,25%-2,50% e referiu que qualquer aumento só deve acontecer em 2020. “A justificar está a descida das perspetivas económicas e a inexistência de pressões inflacionistas”, explicou o MTrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro. A isto, acresce que o banco central norte-americano cortou as projeções de crescimento económico, estimando agora que o PIB norte-americano se expanda 2,1% em 2019. Já a Inflação deverá ficar nos 1,8%, ligeiramente aquém da estimativa anterior (1,9%).

Outro tema colocar os mercados expectantes é o Brexit. Esta quinta-feira ocorre uma reunião do Conselho Europeu, durante a qual a primeira-ministra britânica, Theresa May, irá pedir a extensão da data de saída do Reino Unido da União Europeia. Para ter sucesso, May terá de apresentar um plano de saída bem detalhado.

[Dados das 8h21]

 

Ler mais
Relacionadas

Lucros da Sonae disparam 33,7% em 2018

O grupo evidencia uma forte melhoria da rentabilidade, num ano em que todos os negócios cresceram, quer organicamente, quer por via de aquisições.

Navigator vai distribuir cerca de 0,28 euros por ação em dividendos

A AG é já no dia 9 e tem dividendos de 200 milhões de euros na agenda. A Semapa, por sua vez, reúne no dia 16 e leva proposta de dividendo de 0,51 euros por ação.
Recomendadas

Wall Street animada à espera de boa época de resultados

Setor tecnológico impulsiona Nasdaq e o mercado antecipa que as empresas que vão apresentar os resultados do segundo trimestre aumentem os lucros em 1%. O mercado também espera que a Fed corte as taxas de juro depois da reunião de julho, o que está a impulsionar os índices bolsistas.

Tensões no Médio Oriente impulsionam subida de 1,23% do Brent

A cotação do Brent subiu devido às crescentes tensões com o Irão, que levam os investidores a recear interrupções nos canais de abastecimento de gás e petróleo a partir do Médio Oriente.

Com ou sem acordo, pouco importa. Brexit vai mesmo empurrar o Reino Unido para uma recessão, estima ‘think tank’

O Instituto Nacional de Investigação Económica e Social britânico revelou que o Brexit terá consequências nocivas para a economia britânica, independentemente de ser um Brexit duro ou um Brexit suave. Mas, o PIB britânico será 5% mais baixo no caso de um Brexit duro.
Comentários