PSI 20 continua onda de ganhos, em sintonia com a Europa

"O PSI 20 está em alta e segue a negociar em sintonia com as praças europeias", indica Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco Carregosa. "Os ganhos desta sessão são transversais a todos os índices europeus", acrescenta.

Reuters

A bolsa portuguesa negoceia esta quarta-feira, 14 de fevereiro, com tendência positiva, acompanhando os ganhos das praças europeias. A meio da manhã, o principal índice português, PSI 20, soma 0,53%, para 5.394,08 pontos, com quase todas as cotadas a negociarem com sentido positivo.

“O PSI 20 está em alta e segue a negociar em sintonia com as praças europeias”, indica Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco Carregosa.

A liderar os ganhos estão os CTT, que valorizam 2,03%, para 3,324 euros. Paulo Rosa explica que a empresa liderada por Francisco de Lacerda está “a ganhar fôlego depois das descidas das últimas sessões”.

A cotada é seguida de perto pela Pharol, que está ainda a ser influenciada pelo conflito com a empresa de telecomunicações brasileira Oi. A empresa portuguesa recua-se a aceitar a decisão da Oi, que considerou que as deliberações tomadas na assembleia-geral extraordinária, convocada pela Pharol, não eram válidas. A decisão está a animar os investidores e a cotada está a valorizar 1,32% para 0,230 euros.

Paulo Rosa chama a atenção para o desempenho dos títulos da EDP, que sobem 1,25% para 2,755 euros. O trader da Gobulling explica que a cotada foi alvo de um upgrade de “performance abaixo do mercado” para “neutral” por parte do banco de investimento Credit Suisse. A recomendação mantém, no entanto, um price target de 2,70 euros.

Ainda no setor da energia, a EDP Renováveis soma 0,49%, para 7,145 euros, a Galp Energia sobe 0,35%, para 14,480 euros e a REN avança 0,90%, para 2,466 euros.

A destacar há ainda a Sonae, que está a estudar a compra da Walmart no Brasil, depois de há 12 anos ter fechado as suas 140 lojas e abandonado o país, nota Paulo Rosa. A cotada soma 0,33% para 1,208, estando a registar máximos de sessão. Já a concorrente Jerónimo Martins avança 0,41% para 17,345 euros.

O BCP, que esta quarta-feira revela os resultados de 2017 à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), valoriza 0,14% para 0,295 euros.

Em terreno positivo estão ainda a NOS (0,99%), a Mota-Engil (0,43%), a Novabase (0,34%), a Sonae Capital (0,19%), a Navigator (0,39%) e a Corticeira Amorim (1,00%).

A negociar em contraciclo estão a Ibersol (0,42%) e a Semapa (0,11%).

As restantes praças europeias negoceiam no ‘verde’. O índice alemão DAX soma 0,78%, o francês CAC 40 sobe 0,74%, o espanhol IBEX 35 valoriza 0,85%, o holandês AEX aprecia 0,74%, o italiano FTSE MIB ganha 0,45% e o britânico FTSE 100 avança 0,70%.

“Os ganhos desta sessão são transversais a todos os índices europeus. Ontem a bolsa de Wall Street fechou com ganhos ligeiros, o que está a contribuir para a subida dos mercados”, explica Paulo Rosa. “Os futuros do S&P 500 estão também a subir 0,5%, indiciando uma nova abertura em alta nos Estados Unidos”, acrescenta.

O trader da Gobulling nota ainda que esta quarta-feira será divulgado nos Estados Unidos o índice de preços ao consumidor, que vai ser determinante para “perceber em que timings é que a Reserva Federal norte-americana (Fed) vai proceder a uma subida das taxas de juro”.

No mercado petrolífero, o brent perde 0,38% para os 62,48 dólares por barril e o crude WTI recua 0,51%, para 58,89 dólares. “Desde a divulgação dos stocks norte-americanos que os preços do petróleo perderam força”, explica Paulo Rosa. “Ao mesmo tempo, as quedas das bolsas vieram afetar o setor, tendo em conta que isso veio dar um sinal de que a economia está a abrandar”, acrescenta.

No mercado cambial, o euro negocia a subir 0,06% para os 1,235 euros e a libra perde 0,12%, para 1,387 euros.