PSI 20 segue em alta, com BCP e EDP em destaque

O PSI 20 está a acompanhar a tendência altista das principais praças europeias.

Benoit Tessier / Reuters
Ler mais

A bolsa nacional segue a sessão desta terça-feira a negociar em alta. O principal índice bolsista nacional, o PSI 20, soma 0,34% para os 5.456,99 pontos, acompanhando a tendência positiva verificada nas principais praças europeias.

Em terreno positivo, destaca-se um dos pesos-pesados do PSI 20. O BCP soma 1,05%, para 0,2881 euros.

No setor das energéticas, a EDP continua a em alta, avançando 1,30%, para 3,0490 euros. A EDP Renováveis cresce 0,27%, para 7,4200 euros, e a Galp Energia valoriza 0,50%, para 15,1450 euros.

A cair estão os CTT, que desvalorizam 0,75%, para 3,1960 euros. Também em terreno negativo, destaque para a Jerónimo Martins que recua 0,10%, para 15,3300 euros.

Nas praças europeias, alemão DAX soma 0,26%, o francês CAC 40 ganha 0,58%, o britânico FTSE 100 soma 0,08%, o espanhol IBEX 35 avança 0,83%, o italiano FTSE MIB valoriza 0,36% e o holandês AEX ganha 0,43%.

No mercado petrolífero, o Brent sobe 0,26% para os 65,12 dólares por barril e o crude WTI avança 0,26% para os 61,52 dólares.

No mercado cambial, o euro desvaloriza 0,11% para 1,2327 dólares.

[Dados 09h12]

Otimismo da Europa contagia bolsa nacional

Recomendadas

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou hoje a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada ontem.

União Europeia aumenta pressão sobre a Suíça para concluir um novo acordo

“As negociações não podem tornar-se uma história sem fim”, referiu o comissário europeu Johannes Hahn, que ameaça interromper o comércio transfronteiriço de ações até ao final do ano, se não houver acordo.

Não acordo no Brexit terá um impacto “relativamente pequeno” no mercado de trabalho alemão

Cerca de 41.000 britânicos estavam empregados na Alemanha em dezembro de 2017, um número que é “insignificante para o mercado de trabalho em geral”, revelou o governo de Angela Merkel ao “Der Spiegel”, em resposta ao partido de extrema-esquerda.
Comentários