PSI 20 segue em alta com ganhos do Grupo Sonae e BCP

O abrandar das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e o arranque da ‘earning season’ nos Estados Unidos estão a influenciar positivamente o desempenho das bolsas mundiais.

A bolsa de Lisboa está a negociar em alta, a meio da sessão desta sexta-feira, 12 de outubro, impulsionada pelas subidas do grupo Sonae e do BCP. O principal índice do mercado, PSI 20, segue em linha com as praças europeias e sobe 0,91% para 5.039,68 pontos. O abrandar das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e o arranque da earning season nos Estados Unidos estão a influenciar positivamente o desempenho das bolsas mundiais.

A Sonae Capital é a cotada que mais sobe no índice, estando a valorizar 4,89% para 0,869 euros. A cotada é seguida de perto pela casa-mãe, a Sonae, que soma 4,03% para 0,869 euros. Esta valorização acontece depois de a Sonae ter comunicado, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o cancelamento da Oferta Pública de Venda (OPV) das ações da unidade de retalho do grupo, Sonae MC, por não ter conseguido concretizar a oferta junto de investidores internacionais.

O BCP está também a somar, depois nas últimas sessões ter estado a acompanhar as congéneres europeias em queda. O banco liderado por Miguel Maya avança 1,68% para 0,230 euros. Em alta está também a EDP, que sobe 0,13% para 3,084 euros, e a EDP Renováveis, que ganha 0,56% para 8,135 euros. Já a Jerónimo Martins valoriza 1,82% para 11,490 euros.

Em terreno positivo estão também a Altri (2,41%), a Corticeira Amorim (1,35%), a Mota-Engil (3,60%), a NOS (2,46%), a Pharol (3,14%), a Semapa (0,47%) e os CTT (0,38%).

Em terreno negativo destaca-se a Navigator. A papeleira liderada por Diogo António de Silveira foi uma das cotadas que mais subiu esta quinta-feira no índice, após a revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira. As ações da Navigator estão agora a inverter a tendência e recuam 0,87% para 4,124 euros.

Em baixa estão também a Galp Energia (-0,69%), a Ibersol (-0,22%), a F. Ramada (-0,52%) e a REN (-0,43%).

As restantes praças europeias estão também a negociar em alta. O índice alemão DAX soma 0,70%, o francês CAC valoriza 0,78%, o italiano FTSE MIB aprecia ligeiramente 0,01%, o holandês AEX ganha 0,54%, o britânico FTSE 100 avança 0,08% e o espanhol IBEX 35 sobe 0,12%.

“O otimismo está de regresso às bolsas europeias, no dia em que arranca a época oficial de apresentação de contas nos EUA, com a banca em destaque (JPMorgan, Wells Fargo e Citigroup)”, indica Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. “De forma global temos o aliviar de tensões comerciais a dar relativo alento, depois de Trump ter agendado nova reunião com o homólogo chinês”.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, ganha 0,55% para 80,70 euros, enquanto a cotação do crude WTI soma 0,90%, para 71,61 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,14% para 1,157 dólares e a libra perde 0,22% para 1,320 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Moeda angolana encerra semana estável face a euro e dólar

Divisa angolana tem-se mantido relativamente estável há cerca de dois meses, oscilando entre os 353 e os 359 kwanzas.

Moody’s mantém notação da dívida portuguesa

A agência de notação, que foi a última a retirar Portugal do patamar de ‘lixo’, manteve inalterado o ‘rating’ em Baa3 e a perspetiva estável, não publicando nenhum relatório.

Wall Street sobe com impulso da banca

No mercado de ações a banca foi a estrela da sessão, à semelhança do que aconteceu na Europa. Já o mercado do petróleo fechou com ganhos nesta sexta-feira, 15, impulsionado pelas noticias sobre o diálogo comercial entre Estados Unidos e China.
Comentários