PSI 20 segue em alta com ganhos do Grupo Sonae e BCP

O abrandar das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e o arranque da ‘earning season’ nos Estados Unidos estão a influenciar positivamente o desempenho das bolsas mundiais.

A bolsa de Lisboa está a negociar em alta, a meio da sessão desta sexta-feira, 12 de outubro, impulsionada pelas subidas do grupo Sonae e do BCP. O principal índice do mercado, PSI 20, segue em linha com as praças europeias e sobe 0,91% para 5.039,68 pontos. O abrandar das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos e o arranque da earning season nos Estados Unidos estão a influenciar positivamente o desempenho das bolsas mundiais.

A Sonae Capital é a cotada que mais sobe no índice, estando a valorizar 4,89% para 0,869 euros. A cotada é seguida de perto pela casa-mãe, a Sonae, que soma 4,03% para 0,869 euros. Esta valorização acontece depois de a Sonae ter comunicado, esta quinta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) o cancelamento da Oferta Pública de Venda (OPV) das ações da unidade de retalho do grupo, Sonae MC, por não ter conseguido concretizar a oferta junto de investidores internacionais.

O BCP está também a somar, depois nas últimas sessões ter estado a acompanhar as congéneres europeias em queda. O banco liderado por Miguel Maya avança 1,68% para 0,230 euros. Em alta está também a EDP, que sobe 0,13% para 3,084 euros, e a EDP Renováveis, que ganha 0,56% para 8,135 euros. Já a Jerónimo Martins valoriza 1,82% para 11,490 euros.

Em terreno positivo estão também a Altri (2,41%), a Corticeira Amorim (1,35%), a Mota-Engil (3,60%), a NOS (2,46%), a Pharol (3,14%), a Semapa (0,47%) e os CTT (0,38%).

Em terreno negativo destaca-se a Navigator. A papeleira liderada por Diogo António de Silveira foi uma das cotadas que mais subiu esta quinta-feira no índice, após a revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira. As ações da Navigator estão agora a inverter a tendência e recuam 0,87% para 4,124 euros.

Em baixa estão também a Galp Energia (-0,69%), a Ibersol (-0,22%), a F. Ramada (-0,52%) e a REN (-0,43%).

As restantes praças europeias estão também a negociar em alta. O índice alemão DAX soma 0,70%, o francês CAC valoriza 0,78%, o italiano FTSE MIB aprecia ligeiramente 0,01%, o holandês AEX ganha 0,54%, o britânico FTSE 100 avança 0,08% e o espanhol IBEX 35 sobe 0,12%.

“O otimismo está de regresso às bolsas europeias, no dia em que arranca a época oficial de apresentação de contas nos EUA, com a banca em destaque (JPMorgan, Wells Fargo e Citigroup)”, indica Ramiro Loureiro, analista do Mtrader, do Millennium BCP. “De forma global temos o aliviar de tensões comerciais a dar relativo alento, depois de Trump ter agendado nova reunião com o homólogo chinês”.

No setor petrolífero, a cotação do barril de Brent, que serve de referência para a Europa, ganha 0,55% para 80,70 euros, enquanto a cotação do crude WTI soma 0,90%, para 71,61 dólares por barril.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,14% para 1,157 dólares e a libra perde 0,22% para 1,320 dólares.

Ler mais
Recomendadas

Wall Street fecha semana a subir animado com tréguas na ‘guerra tecnológica’

Wall Street recuperou das perdas de quinta-feira. Declarações do presidente norte-americano sobre a possibilidade da Huawei poder ser incluída no acordo entre EUA e China relativamente à ‘guerra comercial’ animou os investidores.

Fitch mantém rating de Portugal, mas sobe perspetiva para ‘positiva’

Agência de notação financeira norte-americana manteve o ‘rating’ de Portugal no segundo grau de investimento, mas subiu o ‘outlook’, destacando a trajetória de diminuição do rácio da dívida pública face ao PIB e a diminuição do défice. Resultados das eleições legislativas de outubro não se deverão traduzir em “desvios das atuais políticas orçamentais”, antecipa.

‘May Day’ puxa pelas bolsas da Europa. Lisboa não foi exceção

No Reino Unido, confirmou-se o cenário de demissão de Theresa May, que deixa o cargo de Primeira-ministra no dia 7 de junho.  O FTSE 100 subiu 0,65% para 7.277,73 pontos. Por cá o PSI 20 fechou a subir 0,78% para 5.097,28 euros impulsionado pelas ações da EDP; da Sonae; pela REN; pela Jerónimo Martins e pelo BCP.
Comentários