PSI 20 fecha em baixa. Mercado europeu em “ambiente de correção generalizada”

No dia em que a Sonae Capital liderou as perdas, com uma desvalorização de 6,01%, para 0,72 euros, apenas duas empresas cotadas fecharam em terreno positivo. E também a Sonae SGPS caiu quase 3%, para 0,82 euros.

O principal índice bolsista nacional, PSI 20, fechou a sessão desta quinta-feira a perder 0,82%, para 4.994,35 pontos, em linha com as principais congéneres europeias.

“Ambiente de correção generalizado entre os principais índices europeus com quedas superiores a 1,5%. Os investidores estiveram com olhar atento ao que se passa do outro lado do Atlântico, onde o índice Nasdaq 100 tenta suportar-se na média móvel dos últimos 200 dias (7038 pontos)”, de acordo com a análise do Mtrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro.

Em Lisboa, no dia em que a Sonae Capital liderou as perdas, com uma desvalorização de 6,01%, para 0,72 euros, apenas duas empresas cotadas fecharam em terreno positivo. E também a Sonae SGPS caiu quase 3%, para 0,82 euros.

A empresa da Sonae continua em queda apesar de a oferta pública de venda da Sonae MC, a unidade de retalho da Sonae, ter sido percecionada pelos analistas como benéfica para o grupo.

A papeleira Altri surge logo atrás da Sonae Capital, como a que mais perdeu.  A empresa do sector da pasta e do papel afundou 4,60%, para 7,46 euros.

Também a Galp Energia fechou a sessão com um tombo de quase 4%, a valer 15,85 euros por acção. A energética acompanhou a tendência no mercado petrolífero.

No mercado petrolífero a sessão foi “vermelha”. Em Londres, o Brent perdeu 2,73%, para 80,82 dólares, enquanto o WTI, em Nova Iorque, caiu 2,67%, para 71,22 dólares.

Ainda entre as energéticas, outro destaque em Lisboa, foi a EDP Renováveis que recuou 2,53%, para 8,09 euros.

Em contraciclo, apenas o BCP (0,04%, para 0,22 euros) e a Navigator (6,67%, para 4,16 euros). A Navigator é a cotada que mais subiu, impulsionada pela revisão em baixa da taxa anti-dumping dos Estados Unidos de 37,34% para 1,75%, anunciada esta quinta-feira.

Com esta medida, a Navigator vai passar a registar perdas anuais de cerca de dois milhões de euros e de cerca de três milhões de euros no EBITDA, de acordo com o comunicado enviado ontem à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Será iniciado um processo de pedido de reembolso no valor aproximado de 22 milhões de euros, correspondente à diferença entre os montantes depositados até fevereiro de 2017 e o montante agora apurado”, refere a nota da CMVM.

Entre as principais congéneres europeias, o alemão DAX caiu 1,45%, o britânico FTSE 100 tombou 1,94%, o francês CAC 40 perdeu 1,92%, o holandês AEX desceu 1,92%, o espanhol IBEX 35 caiu 1,65% e o italiano FTSE MIB afundou 1,76%.

Entre as divisas, o euro apreciou 0,37%, para 1,15 dólares.

Ler mais
Relacionadas

Wall Street abre no vermelho. S&P 500 continua em ‘queda’

Esta é assim a sexta sessão consecutiva que o S&P 500 cai, o que não acontecia desde novembro de 2016, aquando da eleição de Donald Trump.

Respostas Rápidas: O que está a afundar as bolsas mundiais?

Wall Street, Ásia e depois Europa. Os mercados acionistas nas principais regiões estão a sofrer perdas avultadas. O Jornal Económico responde às perguntas sobre as causas, a extensão e a duração do ‘selloff’.
Recomendadas

Um em cada dez investidores institucionais já usa Inteligência Artificial

“É tentador assumir que a rapidez, eficiência e os menores atritos criam mercados mais precisos e seguros, mas este não é necessariamente o caso. Em muitos casos as ineficiências simplesmente aumentam”, alertou Paras Anand, diretor de gestão de ativos da Ásia na Fidelity International.

Inflação na Argentina vai atingir novo pico este mês, segundo ministro do Tesouro

O peso valorizou 13% em outubro para 36,54 por dólar norte-americano. No entanto, a moeda continua 49% mais fraca em relação ao dólar no acumulado de 2018.

“Fusões em Portugal já deviam ter começado há bastante tempo”

No programa Decisores desta semana, o tema é a compra da gestora de fundos Optimize pela DiF Broker. Os líderes das duas empresas explicam como o poder dificulta as fusões no setor.
Comentários