PSI-20 arranca semana no ‘verde’ impulsionado pelo BCP e Altri

Praça lisboeta abriu a sessão a crescer 0,71%, para 4.889,58 pontos nesta segunda-feira, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI 20, iniciou a sessão desta segunda-feira a valorizar 0,71%, para 4.889,58 pontos, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

A fazer crescer o PSI 20 estão entre as principais cotadas portuguesas o BCP que sobe 2,10%, para 0,12 euros, a Mota-Engil que dispara 1,62%, para 1,34 euros e a Navigator que valoriza 1,63% para 2,49 euros.

A negociar com sinal ‘vermelho’ estão neste início de sessão a Corticeira Amorim que cai 0,57%, para 10,50 euros, a EDP Renováveis que desce 0,90%, para 22,10 euros e a F. Ramada que desvaloriza 1,01%, para 4,90 euros.

As principais bolsas europeias abriram a última semana do ano em alta. Na Alemanha, o DAX cresce 1,35%, o francês CAC 40 valoriza 0,64%, o holandês AEX cresce 0,31%. Em Espanha, o IBEX35 valoriza 0,70% e o italiano FTSE MIB avança 0,65%.

A cotação do barril de Brent valoriza 0,16%, com valor de 51,42 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,29%, para 48,37 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valoriza 0,23%, para 1,22 dólares.

Ler mais

Recomendadas

PremiumAções e ‘commodities’ em máximos

Os três principais índices de Wall Street registam consecutivos máximos históricos, reflexo do novo pacote de estímulos de Biden e das expetativas de recuperação espelhadas na forte procura de matérias-primas.

Morreu o CEO da Explorer, Rodrigo Guimarães

Rodrigo Guimarães tinha 58 anos e era o CEO da Explorer, gestora de fundos de private equity e do Fundo Discovery que integrou ativos de turismo que saíram do balanço dos bancos. Fez carreira no mercado de capitais e foi um dos fundadores da corretora Midas.

Moody’s diz que África subsaariana tem “desafios económicos severos” em 2021

A agência de notação financeira Moody’s alertou hoje que a África subsaariana vai enfrentar “desafios económicos severos” este ano devido à crise agravada pela pandemia de covid-19, com a dívida pública a subir para 64%.
Comentários