Publicação da nova proposta de lei para o Brexit adiada. May em risco de demitir-se amanhã

O governo britânico adiou a publicação da nova proposta de lei para o Brexit, inicialmente prevista para sexta-feira para que fosse votada na semana que se inicia a 3 de junho. Impresa britânica antecipa demissão da primeira ministra esta sexta-feira.

Christopher Furlong/REUTERS

A proposta de lei sobre o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE) não consta do programa legislativo anunciado pelo governo da primeira-ministra britânica, Theresa May, aos deputados.

A proposta define os termos do Brexit, sendo que Theresa May assegura que é “a última oportunidade” de garantir uma saída ordenada. “Informaremos a câmara sobre a publicação e a introdução da proposta de lei sobre o acordo de saída depois da pausa parlamentar”, até 4 de junho, afirmou o representante do executivo, Mark Spencer.

A primeira-ministra está sob intensa pressão para se demitir devido à dificuldade em apresentar um plano satisfatório para fazer o Reino Unido sair da UE. E essa pressão agravou-se, segundo o jornal britânico “The Times“, que escreve que a primeira-ministra britânica deverá abandonar o número 10 de Downing Street já esta sexta-feira. A publicação cita fontes dos conservadores próximas de Theresa May, após mais uma demissão no executivo de Londres, desta vez da ministra dos Assuntos Parlamentares, Andrea Leadsom, eurocética e pró-Brexit.

Andrea Leadsom justificou a demissão afirmando “já não acreditar” que o governo esteja em condições de concretizar o resultado do referendo de junho de 2016 que ditou o Brexit. Theresa May disse que apresentaria uma nova proposta de saída da União Europeia, mas, na carta de demissão, Leadsom escreveu que “mais um voto sobre o Brexit criaria perigosas divisões” e que o Reino Unido deixaria de ser totalmente soberano com o acordo proposto.

O “The Times” cconfirma que Theresa May foi encurralada depois de alguns ministros se terem juntado à revolta do Partido Conservador. O britânico diz ainda que a contestação a Theresa May não é feita apenas por defensores de uma saída do Reino Unido da UE, tornando muito frágil a posição da governante.

O adiamento anunciado hoje ocorre no mesmo dia em que o Reino Unido realiza eleições para o Parlamento Europeu, um escrutínio em que os conservadores deverão registar uma perda acentuada de votos

Ler mais
Recomendadas

Tem uma PME? Saiba como continuar a trabalhar com o Brexit

O Acordo de Saída prevê um período transitório, até 31 de dezembro de 2020, durante o qual prevalecerão as atuais regras do Mercado Único Europeu e da União Aduaneira.

António Costa diz que aprovação do Orçamento é “meio caminho andado” para a legislatura correr bem 

“Ao contrário do que alguns receavam, não tem uma única medida de retrocesso de qualquer dos avanços alcançados nos últimos quatro anos. Ao contrário do que alguns receavam, não nos faz ficar parados ou a marcar passo”, referiu.

“Acordo do Reino Unido com a UE em 11 meses é pouco provável”

Após a saída do Reino Unido da UE no passado 31 de janeiro, Ricardo Evangelista, analista da ActivTrades em Londres, encarou com pessimismo a possibilidade de um acordo em 11 meses entre britânicos e instituições europeias.
Comentários