Purificador de 60 metros vai limpar o ar numa das cidades mais contaminadas da China

Xian, uma das cidades mais contaminadas da China, vai ter um ar mais respirável, graças a esta chaminé colossal.

Uma chaminé de 60 metros de altura realça-se num autêntico ‘mar de edifícios’ de grande altura em Xian, uma das cidades mais contaminadas da China, com o objetivo de tornar o ar mais respirável, escreve o El Economista. Esta cidade tem cerca de nove milhões de habitantes e é uma das mais contaminadas de todo o país.

Este sistema purificador do ar exterior, impulsionado pelo sol, filtra as partículas nocivas e injeta o ar limpo nos céus desta cidade chinesa. O El Economista cita um comunicado da Academia de Ciências da China, onde é mencionado que num artigo da Nature, os cientistas que conceberam o protótipo realçam que este sistema poderá reduzir significativamente a contaminação nas áreas urbanas da China e outras localidades.

Os primeiros resultados, que ainda não foram publicados, são prometedores, de acordo com o líder do projeto e engenheiro químico do Laboratório de Química e Física da Academia de Ciências da China em Xian, cidade localizada na China central. Desta equipa de investigadores fazem ainda parte David Pui, na Universidade de Minnesota (EUA) e Wenquan Tao da Universidade Xi’na Jiaotong, China.

Recomendadas

Novo regime dos recibos verdes vai abranger 300 mil trabalhadores

“Poderemos atingir valores à volta dos 300 mil trabalhadores cobertos por este novo sistema”, disse Vieira da Silva à margem de uma conferência sobre o novo regime contributivo dos trabalhadores independentes, promovida pela Ordem dos Contabilistas Certificados (OCC), em Lisboa.

Comércio “altamente” dependente de flutuações de preços do petróleo

Um aumento do preço do petróleo resulta numa deterioração das trocas comerciais e numa diminuição do poder de compra das famílias, segundo estudo publicado no ‘Economic Bulletin Issue’ do BCE.

‘Fair play’ financeiro: UEFA pede mais investigação ao Paris Saint-Germain

Investigação do corpo de controlo das finanças de clubes (CFCB) da UEFA tinha sido encerrada no verão, mas a UEFA decidiu reenviar o caso para a Câmara Investigatória desse órgão, para uma investigação mais aprofundada.
Comentários