Quais os artigos mais procurados no OLX no 1º semestre?

Entre janeiro e junho, os portugueses procuraram mais por carros, telemóveis, tablets, videojogos e consolas na Internet.

No primeiro semestre deste ano, os artigos mais procurados no OLX pelos portugueses foram carros, motos e barcos (20%), telemóveis e tablets (8%) e videojogos e consolas (7%), de acordo com dados divulgados esta quinta-feira pela empresa de compras e vendas de produtos e serviços.

Segundo a análise deste marketplace, foram realizados mais de 30 milhões de contactos entre potenciais interessados por artigos à venda no portal e vendedores, o que representa um crescimento de 25% face ao ano anterior, sendo que 38% dos contactos foram efetuados através da aplicação mobile do OLX.

Além disso, a empresa enumerou os artigos os portugueses mais puseram à venda nos primeiros seis meses do ano (roupa, peças de automóveis e móveis) e assinalou que se puseram 1,5 milhões de anúncios, igualmente um aumento, de 15%, quando comparado com o semestre homólogo.

“Lisboa, Porto, Setúbal, Braga e Aveiro são os distritos que têm uma maior oferta de anúncios e registam, ao mesmo tempo, uma maior procura e interesse por artigos no portal, totalizando mais contactos entre potenciais compradores e vendedores”, refere o relatório do OLX, que dá ainda conta de que os segmentos moda (17%), carros (15%), móveis, casa e jardim (14%), tecnologia (13%) e lazer (12%) tiveram o maior número de anúncios recebidos.

Recomendadas

Lei ‘Uber’: PCP vai propor revogação da lei

“Consideramos que já muito mal foi feito, mas ainda vamos a tempo de evitar o agravamento de problemas e a situação gravíssima que está em perspetiva para aquele setor”, anunciou o deputado Bruno Dias.

Turismo: receitas subiram 13% até julho para 8,9 mil milhões de euros

Até julho, as exportações da atividade turística ascenderam a 8.913 milhões de euros, mais 12,86% do que nos primeiros sete meses de 2017, segundo os dados da Balança de Pagamentos hoje divulgados pelo banco central.

Novo código dos contratos públicos vai “destruir engenharia portuguesa”, diz associação do setor

Em causa está “o preço mais baixo como principal (ou mesmo único) critério de avaliação de propostas” para serviços de engenharia de obras públicas previsto no novo Código que entrou em vigor em janeiro, diz a Associação Portuguesa de Projetistas e Consultores.
Comentários