Políticas monetárias americanas são principal risco económico para o mundo – Crédito y Caución

O segundo maior risco apontado pelo analistas da empresa de seguro de crédito é uma intensa desaceleração do crescimento na China.

Eleitores norte-americanos viram à esquerda

O mais recente Economic Outlook da Crédito y Caución, empresa líder em seguro de crédito interno e de exportação em Portugal, estabelece que as políticas monetárias dos Estados Unidos da América constituem o principal risco para o crescimento económico e para o desenvolviemnto do comércio mundial.

Segundo os analistas, e embora o cenário de referência seja uma política de ajuste bem orientada e direcionada pela Reserva Federal, “existe uma probabilidade moderada de que o crescimento das taxas de juros leve a que os fluxos de capital se afastem das economias emergentes, o que teria um forte impacto na economia global”.

O relatório evidencia ainda que este cenário, “dificultaria o acesso financeiro e as oportunidades de crescimento. Empresas, famílias e governos em todo o mundo enfrentarão custos financeiros mais elevados”.

O segundo risco mais importante em 2018 é uma intensa desaceleração do crescimento na China. A Administração chinesa demonstrou de forma consistente a sua capacidade e disposição para manter os objetivos de crescimento do PIB para a economia através de políticas fiscais e monetárias, o que afasta a probabilidade de uma queda repentina no crescimento económico. No entanto, “as vulnerabilidades na economia, e mais especificamente as relacionadas com o setor financeiro, continuaram a crescer em 2017. Com estes riscos agora elevados, a probabilidade de um abrandamento forçado aumentou, embora ainda seja considerada entre baixa a moderada”.

O relatório divulgado pela seguradora de crédito cita outros possíveis acontecimentos que considera mais improváveis e com menor impacto potencial na economia global. O aumento do protecionismo dos EUA e a reação dos seus parceiros comerciais, como a China, ocupam o terceiro lugar na lista dos principais riscos globais. Seguem-se a volatilidade do preço do petróleo, que teria especial impacto nas economias importadoras de crude, como a zona euro, os riscos geopolíticos, agravados no Médio Oriente e na Península da Coreia, ou uma correção brusca dos mercados financeiros.

Relacionadas

Seguradora de crédito prevê que insolvências tripliquem níveis pré-crise em 2017

Apesar da diminuição, os níveis de insolvência em Portugal vão manter-se três vezes mais elevados que em 2007, revela a Crédito y Caución.

Exportações: fatores de risco nas economias mais “vulneráveis”

A expressão “negócio da China” deixou hoje de fazer sentido no que toca ao comércio internacional.
Recomendadas

PróToiro critica OE2019 de “censura cultural” perante fim da isenção IVA para artistas taurinos

A Federação Portuguesa de Tauromaquia repudia ”veemente” as propostas “ilegais e discriminatórias” presentes na proposta orçamental para o próximo ano. A entidade critica, por exemplo, que o IVA das touradas se mantenha nos 13% quando o de outras atividades culturais baixa para 6%.

PremiumPersistem dúvidas sobre o aumento salarial dos funcionários públicos

Centeno reiterou que só há 50 milhões de euros para os aumentos salariais. PCP remete para negociação com sindicatos, BE vai insistir na especialidade.

Taxas Euribor sobem a três, seis, nove e 12 meses

As taxas Euribor subiram esta quinta-feira 0,001 pontos a três, seis, nove e 12 meses em relação a quarta-feira.
Comentários