Que região do mundo concentra mais multimilionários?

Em 2025 os ativos dos investidores de alto património líquido irão ultrapassar os 100 biliões de dólares, enquanto em 2016 eram de 63,5 biliões.

Yves Herman/Reuters

A Ásia-Pacífico concentra o maior número de multimilionários do Mundo, fixando-se em 7,4%, segundo o World Wealth Report 2017 da consultora Capgemini.

O número de pessoas com ativos de pelo menos um milhão de dólares e a riqueza total que representam está a aumentar e o número de pessoas no topo 1% do mundo de alto património líquido, detentores de 30 milhões em investimentos ativos , cresceu 8,3%, segundo o relatório a que a Bloomberg teve acesso.

Em 2025 os ativos dos investidores de alto património líquido irão ultrapassar os 100 biliões de dólares, enquanto em 2016 eram de 63,5 biliões.

O relatório encontrou grandes avanços nos milionários na América do Norte e Europa, onde populações ricas cresceram 7,8% e 7,7%. O crescimento desacelerou ligeiramente na região da Ásia-Pacífico, passando para 7,4% de 9%.

O aumento de milionários na Rússia é impulsionado pelos ganhos em ações e no Brasil também aumentou 10,7%, após uma queda de 7,8% em 2015. Já o número de cidadãos norte-americanos de alto património líquido cresceu 8% no ano passado.

Recomendadas
Respostas Rápidas: Que produtos foram afetados pelas tarifas dos EUA à China?
Em que ponto está a guerra comercial? Qual a lista de produtos impactados? Como reagiu a China? O que dizem os analistas? Segundo os cálculos do instituto alemão Ifo, estas tarifas irão travar o crescimento da China em 0,1 a 0,2 pontos percentuais e colocar a Europa numa posição mais forte.
Kim Jong-un diz que cimeira com Donald Trump estabilizou a segurança regional
O líder da Coreia do Norte enalteceu hoje a cimeira realizada com Donald Trump, presidente dos EUA, na medida em que estabilizou a segurança regional. Jong-un também disse que espera obter mais progressos na próxima cimeira inter-coreana.
China retalia Estados Unidos com tarifas de 60 mil milhões de dólares
A decisão surge horas depois de a Casa Branca dizer que os Estados Unidos da América iriam impor taxas alfandegárias às importações chinesas no valor de 200 mil milhões de dólares (aproximadamente 171 mil milhões de euros).
Comentários