Quedas abruptas em Wall Street ao ritmo de Itália e Arábia Saudita

Nem só da Fed viveu a desconfiança dos investidores em Wall Street: a incerteza em torno do orçamento italiano e as fortes possibilidades de uma deterioração das relação entre os EUA e a Arábia Saudita condicionaram as ações transacionadas nesta sessão.

Crash de 25% em Wall Street

Os principais índices norte-americanos tiveram hoje uma sessão com fortes quedas e sentiram a forte desconfiança dos investidores.

Desta forma, índice industrial Dow Jones desvalorizou 1,26% para 25.383,39 pontos, o tecnológico Nasdaq caiu 2,06% para 7.485,14 pontos enquanto o S&P500 derrapou 1,47% para 2.767,95 pontos.

Os receios foram despertados pelas atas da última reunião da Fed, divulgados na quarta-feira. A autoridade monetária norte-americana aponta para uma nova subida de juros, acima dos 3%, pela necessidade de acelerar a normalização dos juros.

Mas nem só da Fed viveu a desconfiança dos investidores em Wall Street: a incerteza em torno do orçamento italiano e as fortes possibilidades de uma deterioração das relação entre os EUA e a Arábia Saudita condicionaram as ações transacionadas nesta sessão.

Relacionadas

JP Morgan: EUA não dão sinais de recessão e ações em Wall Street não estão caras

Manuel Arroyo, o novo diretor de estratégia da JP Morgan Asset Management Ibéria, antecipa que a volatilidade vai aumentar e os retornos vão diminuir. Ainda assim, considera que há oportunidades nos setores ‘value’.

EUA querem negociar acordos comerciais com União Europeia, Reino Unido e Japão

“Sob a liderança do presidente Trump, continuaremos a expandir o comércio e o investimento dos Estados Unidos da América através da negociação de acordos comerciais com o Japão, a União Europeia e o Reino Unido”, disse o diretor de Comércio Exterior norte-americano, Robert Lighthizer.
Recomendadas

Secretário de Estado do Tesouro norte-americano anima Wall Street

Steven Mnuchin está a equacionar abdicar de algumas tarifas às importações chinesas que têm sido um obstáculo ao comércio entre as duas maiores potências económicas mundiais, os EUA e a China.

Dividendos: o rendimento passivo pode fazer a diferença no final do mês

Saiba como gerar rendimentos regulares num lógica de longo prazo também através do investimento em ações.

Mercados da periferia brilham na Europa

Impasse no Brexit, estagnação das expetativas sobre investimentos na China e menor interesse nas moedas virtuais marcam o início do mês.
Comentários